O Congresso Nacional Africano /ANC, no poder na África do Sul, anunciou esta quarta-feira que apresentará quinta-feira uma moção de censura no Parlamento se, até lá, o Presidente sul-africano, Jacob Zuma, não se demitir.

O anúncio da decisão foi feito pelo tesoureiro geral do ANC, Paul Mashatile, numa conferência de imprensa, após uma reunião do grupo parlamentar do partido no poder desde 1994.

“Não podemos manter a África do Sul à espera”, frisou Mashatile, salientando quer o partido deu um prazo até ao final de quarta-feira para que Zuma apresente a demissão que, a concretizar-se, levará o atual vice-presidente, Cyril Ramaphosa (eleito em dezembro líder do ANC), a assumir a Presidência interina do país.

De manhã, a polícia sul-africana fez buscas ao condomínio residencial da família Gupta, em que dois membros, empresários, são suspeitos de usar as ligações próximas de Zuma para influenciar contratos no valor de milhões de dólares.

Elementos dos Hawks, uma unidade de elite da polícia judiciária sul-africana, entraram no condomínio da família Gupta, em Saxonwold, nos arredores de Joanesburgo, numa altura em que o ANC aguarda uma resposta de Zuma, que tem recusado sempre as acusações de corrupção, à exigência de demissão.

O poder de Zuma tem vindo a diminuir desde que o seu vice-presidente, Cyril Ramaphosa, lhe sucedeu, em dezembro, à frente do ANC, ficando bem posicionado para se tornar chefe de Estado na África do Sul nas eleições do próximo ano, podendo, desta forma, desviar as atenções dos casos de corrupção e centrar tudo na sucessão.

Ramaphosa, aliás, fez do combate à corrupção governamental uma das prioridades durante a pré-campanha e a campanha para a liderança do ANC. Em causa está sobretudo determinar a extensão de eventuais crimes cometidos pelos três irmãos Gupta, a poderosa família de origem indiana que domina os negócios na África do Sul e que está também a ser investigada pelos serviços secretos do FBI.

Além das escandalosas acusações de que Zuma esteja a favorecer as atividades empresariais dos irmãos, o FBI está a investigar sobretudo fluxos de caixas suspeitos, enviados pelos Gupta diretamente da África do Sul para o Dubai e para os Estados Unidos.

A oposição sul-africana considera que Ajay, Atulk e Rajesh Gupta asseguraram junto de Zuma importantes posições na administração sul-africana, pagando somas avultadas em dinheiro e permitindo ganhar concursos públicos no valor de centenas de milhões de dólares.

“Zuma anunciou a criação de uma comissão de inquérito numa altura em que estava sob pressão, mas não tem qualquer intenção de lhe dar seguimento”, afirmou o secretário-geral do Conselho Federal da Aliança Democrática, oposição. Desde 2016 que quer Zuma quer a família Gupta negam quaisquer ilegalidades, afirmando-se, ambos, vítimas de uma “caça às bruxas”.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here