Trata-se de uma obra que reúne contos que, de uma forma sublime recriam o imaginário político e cultural angolano a partir de figuras ficcionais e existentes da literatura e do mosaico político nacional, como Hoji ya Henda, Comandante Benedito, Ngangula e outras personagens que estiveram implicadas na libertação de Angola.

A obra, que traz uma linguagem infanto-juvenil, aborda questões ligadas à independência, patriotismo, liberdade e o amor ao próximo.

No prefácio do livro, o escritor Carlos Ferreira “Cassé” explana o seguinte: “É aqui que entronca o papel essencial do escritor, no caso da escritora que, cumprindo a máxima do fundador da nação, Dr. Agostinho Neto, segundo a qual os criadores devem ser ‘formadores de consciência’, nos oferece, em nova edição, contos que, embora ficcionados, nos relatam a realidade heróica e grandiosa que foi a gesta da luta de libertação nacional. Eugénia Neto não nos deixa esquecer. É pela escrita, pela lembrança, pela reafirmação de vários episódios singulares decorridos antes e durante a longa luta colectiva pela independência, que a escritora exerce o seu papel e reafirma um dado fundamental da história de qualquer comunidade.”

Acrescenta, “além do pendor claramente pedagógico que sempre utilizou e que mantém, particularmente na prosa, a reedição deste conjunto de contos demonstra que a militante, a companheira, a poetisa Eugénia Neto não esquece nem deixa esquecer que o escritor é e deve ser um ‘agente activo no aperfeiçoamento da humanidade’ -, tal como dizia Agostinho Neto.”

Maria Eugénia Neto nasceu em Trás-os-Montes (Portugal), aos 8 de Março de 1934. É  autora de vários livros, com destaque para  “E na Floresta os Bichos Falaram” (prémio de honra na Comissão Cultural da ex-República Democrática Alemã, para a Unesco, 1977-Leipzig), “Foi Esperança e Certeza”, 1979, e “A Formação de Uma Estrela e Outras Histórias na Terra” (1979).

Publicidade