Duas reuniões, em abril e maio deste ano, vão analisar a realização de um congresso extraordinário sobre a transição política da presidência do MPLA, foi anunciado esta sexta-feira pelo líder do partido no poder em Angola, José Eduardo dos Santos.

O presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e ex-chefe de Estado angolano anunciou a realização de um congresso extraordinário para “resolver” a liderança no partido, a convocar para dezembro deste ano ou abril de 2019.

O comunicado final da 5.ª sessão ordinária do Comité Central (CC), na qual foi feito o anúncio, refere que foi decidido a realização de uma reflexão do Bureau Político sobre a “oportunidade de realização de um congresso extraordinário do partido e sobre a transição política ao nível da presidência do MPLA”.

“O Comité Central decidiu, em conformidade, o seguinte: realizar a referida reunião de reflexão do Bureau Político, no mês de abril de 2018, para consequentemente o Comité Central realizar uma reunião extraordinária sobre a matéria em questão, no princípio de maio do corrente ano”, refere o comunicado saído do encontro, cujo término estava previsto para as 16h00, mas estendeu-se até perto das 19h00.

Segundo o secretário para a Informação do Bureau Político, Norberto Garcia, “a referida reflexão tem como fim único o fortalecimento do MPLA e o reforço da sua coesão interna, privilegiando sempre os interesses do partido e da nação angolana”.

A reunião aconteceu numa altura em que vários militantes criticam abertamente a alegada bicefalia no partido no poder em Angola desde 1975, entre João Lourenço, vice-presidente do partido e chefe de Estado desde setembro, e José Eduardo dos Santos, que lidera o MPLA desde 1979.

Durante a intervenção, José Eduardo dos Santos, que foi chefe de Estado em Angola durante 38 anos e não concorreu às eleições gerais de agosto passado, recordou que se comprometeu a envolver-se “pessoalmente” no grupo de trabalho que ao longo de 2018 vai “preparar a estratégia” do MPLA para as primeiras eleições autárquicas no país.

“Assim, recomendo, por ser mais prudente, que a realização do congresso extraordinário do partido, que vai resolver a liderança do MPLA, seja em dezembro de 2018 ou abril de 2019”, disse, sem adiantar mais pormenores sobre este processo.

Publicidade