A implantação da Sede do Instituto Socioambiental | ISA, entre o tecido urbano mais denso da cidade de São Gabriel da Cachoeira – cidade de 20.000 habitantes, de maioria indígena de 30 etnias, situada a 1.000 km a noroeste de Manaus, na região amazónica de fronteira entre o Brasil, Colômbia e Venezuela – e a margem do Rio Negro, foi pensada justamente para evidenciar a possibilidade de se estabelecer uma relação mais gentil e amigável entre a ocupação humana e o meio ambiente, entre urbis e natureza.

Um esforço de se contrapor à regra geral dominante nas cidades ribeirinhas de se construir de costas para as águas utilizando os rios como esgoto doméstico ou depósitos de lixo.

Neste sentido, o edifício se abre à cidade como um equipamento democrático de uso público e coletivo, e também reverencia a paisagem natural – o rio com suas belas praias de areia branca e a grande extensão de mata amazónica a se perder de vista. A decisão de se implantar no último piso o grande espaço de convivência com um belvedere debruçado sobre a paisagem deixa claro o princípio adotado.

O projeto teve como fatores determinantes e até norteadores as dificuldades construtivas da região, devido ao seu isolamento, somadas às reduzidas opções de materiais. Como resultado, podemos dizer que chegamos a uma arquitetura bastante simples, sintética.

O edifício é um cubo branco de 16mx16m, com três pavimentos, construído com técnicas tradicionais de alvenaria revestida e caiada. Uma “pele” de madeira o protege das fortes chuvas de vento amazónicas e uma grande cobertura de palha piaçava, material farto na região, proporciona-lhe conforto térmico, assemelhando-se à uma maloca indígena.

Recorremos às habilidades da mão de obra indígena no trabalho com madeira e cipós para a cobertura e também para a estrutura periférica de 1,50m de largura que “veste” a construção central que, além de protegê-la das intempéries, abriga toda a circulação vertical e horizontal formando marquises, balcões e escadas. Desse modo, a vida no edifício se relaciona com o entorno o tempo todo, visualmente – ver e ser visto – e também construtivamente – o uso da madeira e da palha através técnicas locais.

O edifício do Instituto Socioambiental | ISA procura aliar e fundir todas as concepções espaciais ao programa de uso rico e variado proposto pelos dirigentes da instituição e pelos conselhos indígenas. Todo o pavimento térreo abriga um grande salão multiuso para trabalho, exposições, projeções, conferências e biblioteca, onde existe também um telecentro aberto à população gratuitamente; no pavimento intermediário, por sua vez, estão os apartamentos de pesquisadores e visitantes; enquanto no piso superior há a grande sala de convivência com um “redário” para descanso ou reuniões, cozinha coletiva e sala de baterias.

Com suas varandas, seu salão aberto e acolhedor no térreo, e seu terraço panorâmico na cobertura, podemos afirmar que todo o edifício é uma grande área de encontros de trabalho e lazer dos usuários e visitantes. Podemos afirmar ainda que todo o projeto, também em sua relação com a cidade e com a natureza, está fundado nos princípios da convivência.

Publicidade