Cabo Verde-CEDEAO: Presidente Fonseca afirma que protagonistas de crise na Guiné-Bissau devem dialogar

0
Jorge Carlos Fonseca, Presidente de Cabo Verde
Jorge Carlos Fonseca, Presidente de Cabo Verde

Presidente de Cabo Verde participa da 51ª Sessão Ordinária dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (Cedeao), que tem lugar amanha, 4 de junho, em Monróvia, Libéria. Da agenda da cimeira de presidentes e chefes de governo, faz parte a deliberação sobre o pedido de adesão de Marrocos a membro da Cedeao, bem como a situação de crise prolongada na Guiné-Bissau e no Mali.

 A instabilidade política na Guiné-Bissau é um dos pontos da agenda da 51ª Sessão Ordinária dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, a ter lugar amanhã, em Monróvia, Libéria.

Jorge Carlos Fonseca é um dos Chefes de Estado a participar na cimeira da CEDEAO, que decorre a partir de domingo na Libéria.Horas antes de viajar para Monróvia, o Presidente cabo-verdiano  declarou que a instabilidade politica por que passa a Guiné-Bissau, só será resolvida se houver um esforço dos actores políticos de Bissau.

Ele comentou igualmente a presença do Primeiro-ministro israelita, Benyamin Netanyahu , na cimeira da CEDEAO. A presença de Netanyahu em Monrovia, levou o rei de Marrocos,Mohamed VI a anular a sua participção na quinquagésima primeira Cimeira da CEDEAO. O Presidente de Cabo Verde considerou que a presença de um chefe de governo israelita numa cimeira africana como a da CEDEAO, pode ser um elemento relevante .

A anulação da participação do monarca marroquino ocorre precisamente numa altura em que, a organização sub-regional deverá pronunciar-se sobre o pedido de adesão de Marrocos à CEDEAO.

Na sua deslocação à Libéria, o Presidente Jorge Carlos Fonseca é acompanhado pelo Ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares e também Ministro do Desporto Fernando Elísio Freire.

Para além da adesão do Rei de Marrocos, constarão igualmente na agenda da 51a Cimeira da CEDEAO, o pedido de estatudo de observador da Tunísia, a situação no Mali, bem como o memorando sobre o acordo de Associação com a República Islâmica da Mauritânia. A cimeira de Monróvia culminará com a eleição do novo Presidente da Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO.

Publicidade