Os proprietários da Casa Comprida, Lloyd e Elizabeth, gostam de chegar de barco à cidade de Vilanculos, com os seus dois filhos adolescentes, depois de voar de Joanesburgo. “À medida que saímos do avião, podemos sentir o cheiro de Moçambique”, diz Elizabeth. “É simplesmente incrível. No aeroporto, vamos de elevador até à praia. Então, literalmente, subimos as calças, atravessamos a água e saltamos para um barco que nos leva pela baía até à praia e até casa”.

Inserida na envolvente natural idílica de uma vila à beira-mar, esta residência de férias, desenhada pelo arquiteto Andrew Makin, do ateliê Designworkshop:SA, é composta por uma série de pavilhões térreos independentes, ligados por um passadiço de deck de madeira, criando uma série de pátios e um esquema flexível: todos os espaços estão voltados para o oceano e abrem-se ao azul e verde da paisagem, podendo receber várias visitas ou apenas duas pessoas. “Queríamos o plano da sala extremamente aberto ao exterior para que, no bom tempo, se possa abrir tudo”, diz Elizabeth.

A Casa Comprida é uma construção sobre palafitas (técnica arquitetónica escolhida pela sua adaptação ao meio ambiente), permitindo o avanço e movimento da duna com os ventos, as correntes oceânicas e reduzindo o impacto ambiental.

Publicidade