A mostra, que fica patente até o dia 13 de Novembro, é composta por 28 telas com as técnicas acrílicas sobre tela, fotografia, xilogravura, caneta sobre papel, serigrafia, vidragem sobre argila vermelha, serralharia e pintura, objectos e instalação.

Van, que celebra 40 anos de carreira artística, explica que “Retrospectiva Multidisciplinar de Artes Plásticas” é o retrato do seu percurso enquanto artista, baseado nas observações e análises do seu universo e na busca constante de mais conhecimentos, privilegiando a natureza, tentando resistir aos efeitos menos bons da globalização.

O artista explicou que já se passaram quatro décadas, desde que participou pela primeira vez numa exposição colectiva com mestres das artes plásticas no país. “Tinha 18 anos e já procurava seguir as pegadas de nomes conceituados da história das artes plásticas no país, como Henrique Abranches, Costa Andrade “Ndunduma”, Rui de Matos, Viteix, Vaz de Carvalho, Fernando Vinha, os irmãos Henrique e Mário Guerra, Matondo Afonso, Tomás Vista, António Ole, Augusto Ferreira e Mendes Ribeiro.”

Esta exposição, disse, é uma singela homenagem “a todos que se deixam educar pelas artes, muito especialmente aos coleccionadores que muito têm confirmado para o desenvolvimento das artes”, assegurou o artista.

A directora do Camões – Centro Cultural Português, Teresa Mateus, ao apresentar a exposição, disse que Van, pelo seu processo criativo, mergulha nas suas raízes profundas, sem contudo deixar de assumir-se como um artista da sua época, que reflecte, interroga e questiona o mundo que o rodeia, no tempo e no espaço.

 

Publicidade