As embaixadas e consulados moçambicanos vão poder emitir passaportes e bilhetes de identidade, deixando o processo de depender de brigadas enviadas pelo Serviço Nacional de Migração (Senami), anunciou o diretor nacional de Identificação Civil, Domingos Jofane.

Em declarações ao diário moçambicano Notícias, aquele responsável afirmou que as representações diplomáticas passarão a contar com funcionários do Senami para a viabilização da iniciativa. “Com este processo, iremos aliviar os nossos concidadãos”, que nalguns casos se veem obrigados a regressar ao país para tratar de documentação, “com todos os custos que isso acarreta”, disse Jofane, que não especificou a data do início da operação.

A medida, prosseguiu, também vai reduzir os custos de envio de brigadas do Senami ao estrangeiro para o atendimento aos pedidos de concessão de passaporte e Bilhete de Identidade. “Vamos consolidar o processo nas missões dos países com uma forte presença de moçambicanos. Decorre nalgumas embaixadas o processo de preparação dos técnicos da Direção de Identificação Civil e do Senami, que passarão a levar a cabo este trabalho”, afirmou Domingos Jofane.

Portugal, África do Sul, Etiópia e Alemanha serão os primeiros países a contarem com um serviço fixo de emissão de passaportes moçambicanos, por contarem com uma diáspora moçambicana considerável.

Publicidade