“A boa notícia é que a proposta do OGE para 2019 indica para os setores da Saúde e Educação uma participação maior no total da despesa e a maior de todos os tempos”, disse Archer Mangueira.

Respondendo às preocupações manifestadas por membros da sociedade civil durante um encontro de discussão pública sobre a proposta de OGE para 2019, o governante apontou números que especificam o aumento da verba para ambos os setores.

“Para o setor da Saúde teremos uma participação de 7% do total da despesa. Para o setor da Educação tivemos 4% em 2018 e, para 2019, teremos 6%. Essa é a boa notícia”, adiantou.

Em relação à materialização de uma política monetária expansionista para Angola, uma das propostas dos participantes no encontro, Archer Mangueira referiu que o Governo pretende inicialmente “corrigir um conjunto de desequilíbrios”.

Neste momento, o que se pretende com o Programa de Estabilização Macroeconómica é “retirar o excesso de liquidez para, pelo menos”, o país atingir a meta de redução da atual taxa de inflação, acrescentou.

“Nesta fase, a política monetária tem de ser contracionista”, salientou.

Na sua intervenção, o governante frisou ainda que a atual taxa de inflação do país é de 18,9%, longe dos 28% previstos no OGE de 2018.

Publicidade