As sanções infligidas à Guiné Bissau terminarão tão logo que o Acordo de Conakry seja aplicado, segundo o presidente cessante da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Marcel Alain de Souza.

Segundo um comunicado da Presidência do Burkina Faso, divulgado sexta-feira última, De Souza manteve estas declarações no termo duma audiência um dia antes com o Presidente burkinabe, Roch Marc Christian Kaboré.

O presidente da Comissão da CEDEAO indicou que sanções foram tomadas contra personalidades da Guiné Bissau e que “estas sanções terminarão quando o Acordo de Conakry for aplicado”.

Pronunciando-se sobre a Missão de Manutenção da Paz neste país, de Souza indicou que “isto custa-nos excessivamente caro, mas não temos resultados. É um sacrifício que está a ser feito mantendo-os (elementos desta missão) lá, numa altura em que o Burkina Faso conhece também problemas de seguranças”.

De Souza fazia referência aos diferentes contingentes que o Burkina Faso desdobrou na Guiné Bissau no quadro das operações de manutenção da paz, enquanto o próprio país é, desde 2015, alvo de ataques terroristas, nomeadamente na sua parte do norte.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here