“Registámos, entre 2013 e 2017, um aumento substancial de pessoas a beneficiarem do tratamento antirretroviral e que está a ser oferecido de forma gratuita e em unidades sanitárias cada vez mais próximas dos locais de residência dos nossos doentes”, declarou Nazira Abdula.

A ministra falava hoje, em Maputo, durante o encerramento da 7.ª reunião do Programa Nacional de Controlo de Infeções Sexualmente Transmissíveis, HIV e Sida, um encontro que avaliou em três dias o nível de execução da Resposta Acelerada ao HIV no período 2013-2017.

Publicidade