Trata-se de um espetáculo criado por Inês Barahona e Miguel Fragata, a que se juntou a dupla dos Clã Helder Gonçalves, autor da música original, e a cantora Manuela Azevedo.

A partir de um trabalho de pesquisa com centenas de adolescentes e da leitura de diários de jovens de várias gerações, “Montanha-Russa” mergulha na adolescência e procura retirá-la dos lugares comuns, traçando um retrato de uma geração que se quer fazer ouvir ao som da música.

As tentativas de responder à pergunta “Quem sou eu?” constituem um dos eixos da peça que se centra nos problemas dos adolescentes.

Uma montanha-russa — a Ciclone – estacionada na Alemanha é o cenário da peça, onde os adolescentes buscam a sua identidade em construção.

Em “Montanha-russa”, as questões têm a ver com descoberta, vivência de algo pela primeira vez, assim como com uma ideia de ajuste de contas e da agressividade ou passividade relativamente à família.

Com dramaturgia de Inês Barahona e encenação de Miguel Fragata, que juntos formam a Formiga Atómica, “Montanha-russa” tem interpretação de Anabela Almeida, Carla Galvão, Miguel Fragata e Bernardo Lobo Faria.

A música original é de Helder Gonçalves, dos Clã, o movimento, de Marta Silva, o desenho de som, de Nelson Carvalho e, o de luz, de José Álvaro Correia.

Com cenografia de F. Ribeiro e figurino de José António Tenente, “Montanha-russa” vai estar em palco até 27 de janeiro, com espetáculos às quartas e sábados, às 19:00, quintas e sextas, às 21:00, e aos domingos, às 16:00.

Publicidade