O livro, de 192 páginas, tem nove capítulos e foi prefaciado em 2014 pelo professor emérito Jan Vansina,  que disse que “este texto tem uma importância particular para o Dossier de Mbanza Kongo junto da UNESCO. Contudo, abre um debate de reapreciação metodológica das fontes outrora utilizadas. 

As pistas que propõe para discussão e as análises que faz entusiasmam uma nova revisão da História de África com estudos comparativos e a partir dos novos resultados”.

Dividida em três partes, a primeira compreende o primeiro e o segundo capítulo. O primeiro capítulo resume uma densa pesquisa (1.129 páginas) que o autor publicou em três volumes entre 2010 e 2012. O segundo capítulo faz a leitura de Mbanza Kongo enquanto espaço da união. 

A segunda parte (Política) compreende quatro capítulos (III, IV, V e VI), demonstrando que o Reino do Kongo tinha uma organização política e administrativa e o autor apresenta as evidências de uma possível democracia antes da chegada dos europeus. 

A última parte de três capítulos mostra uma organização económica, um sistema cambial e um corpo de fiscais que funcionava bem. O autor ilustra as razões estruturais para sustentar a sua tese segundo a qual a hierofania inferior foi percebida pelos habitantes do Kongo para a funcionalidade deste sistema organizacional.

Patrício Batsîkama é licenciado e mestre em História, doutorado em Antropologia Política. É autor de mais de uma dúzia de artigos publicados em revistas científicas e vários obras literárias e científicas. É docente universitário.

Publicidade