Os crimes informáticos com recurso a tecnologia registaram um “aumento generalizado” em 2017, com destaque para o acesso indevido ou ilegítimo, devassa por meio informático, falsidade e sabotagem, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna. O documento, entregue esta quinta-feira no parlamento, refere que os crimes informáticos mantêm a tendência de subida, com mais 175 casos em 2017 em relação a 2016, o que representa um acréscimo de 21,8 por cento. Entre as tipologias, registaram-se o ano passado 470 crimes de acesso ou interceção ilegítima, 249 sabotagens informáticas, e 196 crimes de falsidade.

Em contrapartida, em comparação com 2016, as autoridades registaram menos 36% de crimes de pornografia de menores. Quanto ao número de arguidos constituídos, à semelhança dos crimes cometidos o número também subiu, sendo a tabela liderada pela burla informática e nas comunicações com 367 arguidos (mais 37 que em 2016), tendo as autoridades detido 26 pessoas e colocado oito em prisão preventiva. O acesso ilegítimo ou indevido deu origem a 43 arguidos, seguindo-se a falsidade informática com 25 (mais nove)

O relatório indica também que, em matéria de criminalidade informática e cibercrime, é previsível um aumento dos seguintes “modus operandi”: APT (advanced persistent threat), interligação de ‘botnets’ (redes de computadores infetados por bots semelhantes) e códigos bancários maliciosos (malware). Por outro lado, deverá diminuir a venda de dados pessoais e os casos de ‘hacktivismo’, através dos quais os piratas informáticos tentam passar mensagens ativistas de várias causas. Segundo o RASI, a criminalidade violenta e grave diminuiu 8,7% no ano passado, em relação a 2016, enquanto os crimes gerais aumentaram 3,3%.

O relatório reúne os indicadores de criminalidade registados pela Guarda Nacional Republicana, Polícia de Segurança Pública, Polícia Judiciária, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Polícia Marítima, Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, Autoridade Tributária e Aduaneira e Polícia Judiciária Militar.

Publicidade