Portugal e Cabo Verde criam junta médica mista para melhorar transferência de doentes

Portugal e Cabo Verde vão criar uma junta médica mista para tornar mais eficiente o processo de envio e tratamento de doentes cabo-verdianos em estruturas de saúde portuguesas, disse a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas.

0

“Estamos a constituir uma junta médica mista em que médicos de Cabo Verde que residem e trabalham em Portugal junto com médicos portugueses analisam os processos das pessoas que já foram tratadas para decidir a sua integração em Cabo Verde o mais precocemente possível”, disse Graça Freitas.

A diretora-geral de Saúde falava aos jornalistas, na cidade da Praia, onde participa no Fórum Nacional de Saúde e Segurança Social, que decorre hoje e sexta-feira.

Para Graça Freitas, as novas juntas vão possibilitar que um doente tratado em Portugal possa regressar para fazer o seguimento em Cabo Verde, cumprindo os mesmos protocolos e com a garantia de poder voltar a Portugal se necessitar.

“Estamos a trabalhar juntos para agilizar um processo que será bom para os cidadãos de Cabo Verde, que vão ter acesso a cuidados médicos, mas voltando depois à sua terra. Reduz custos e evita sobretudo o afastamento demasiado grande da família”, disse.

Graça Freitas considerou “muito boa” a capacidade instalada de médicos e enfermeiros em Cabo Verde, destacando, nomeadamente, a capacidade existente no país de fazer o seguimento dos doentes oncológicos.

“Uma pessoa que vá a Portugal fazer tratamento oncológico e depois fique bem, mas precise de fazer seguimento, se calhar não precisa de fazer esse seguimento em Portugal, uma vez que o protocolo é o mesmo e pode ser seguida por médicos de Cabo Verde”, exemplificou.

A diretora-geral da Saúde disse ainda que os dois países estão a trabalhar ao nível das juntas médicas que em Cabo Verde avaliam os doentes para os mandar para tratamentos em Portugal.

“Viemos discutir com as autoridades como é que em Cabo Verde podem ser melhorados os processos antes de as pessoas irem para Portugal. Capacitar as juntas médicas e os profissionais de Cabo Verde para quando tomam a decisão de evacuar uma pessoa o processo ir muito bem instruído”, disse.

No último ano foram transferidos para Portugal 730 doentes cabo-verdianos para Portugal, segundo Graça Freitas.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here