“Procuraremos trabalhar na criação de mecanismos que nos permitam ter uma presença naval da Marinha Portuguesa com militares da Guarda Costeira cabo-verdiana embarcados para, durante períodos mais longos, assegurar a vigilância e a fiscalização destas águas”, disse Marcos Perestrello, citado pela agência de notícias cabo-verdiana Inforpress.

O secretário de Estado falava, na cidade do Mindelo, após um encontro com o ministro da Defesa de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, a bordo da fragata da Marinha Portuguesa “Alvares Cabral”, que hoje termina mais uma missão “Mar Aberto”.

As missões “Mar Aberto”, da Marinha Portuguesa, inserem-se no âmbito da cooperação técnico-militar de Portugal com Cabo Verde e decorrem duas vezes por ano em águas cabo-verdianas, com uma duração de cerca de duas semanas.

Durante a presença dos barcos da Marinha Portuguesa no país realizam-se ações de fiscalização e patrulhamento conjunto com a Guarda Costeira de Cabo Verde, bem como exercícios militares conjuntos entre as Forças Armadas dos dois países.

Marcos Perestrello adiantou que as duas partes têm vindo a desenvolver trabalho junto das organizações internacionais a que pertencem no sentido de assegurar uma presença naval ao longo do ano nas águas sob responsabilidade e jurisdição de Cabo Verde.

Nesse sentido, está em desenvolvimento um plano de cooperação trilateral, que deverá passar a incluir o Luxemburgo.

“A segurança e a defesa dos países hoje só podem ser asseguradas em cooperação com outros países e organizações internacionais, militares e outros países com capacidade militar”, sublinhou.

Por seu lado, o ministro da Defesa de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, destacou a importância deste acordo trilateral na consolidação da cooperação militar futura.

Luís Filipe Tavares disse ainda que, durante o encontro com Marcos Perestrello, foram abordadas questões como a formação dos oficiais cabo-verdianos em Portugal, a segurança na sub-região africana e o facto de Cabo Verde se ter disponibilizado para acolher Centro Multinacional de Coordenação Marítima da Zona G, promovido pelo Grupo G7- Amigos do Golfo da Guiné.

“Estamos a receber este centro na cidade da Praia e Portugal é um parceiro fundamental no seu apetrechamento e também na formação dos oficiais e militares que nele vão trabalhar”, assegurou Luís Filipe Tavares

“A cooperação entre Cabo Verde e Portugal em matéria de defesa é muito boa e vamos continuar a trabalhar para a reforçar”, acrescentou.

Publicidade