Primeiro hospital privado em Cabo Verde com investimento de 27 milhões de euros

0
Cabo Verde, cidade da Praia
Cabo Verde, cidade da Praia

O primeiro hospital privado de Cabo Verde vai nascer “à sombra” do empreendimento turístico da Gamboa num investimento previsto de 27 milhões de euros e por iniciativa de um médico português e outro cabo-verdiano a trabalhar em Portugal.

 

Aníbal Tavares, médico português e consultor em saúde, e Emanuel Figueiredo, médico cabo-verdiano a residir e trabalhar em Portugal, juntaram-se na empresa Figueiredo e Tavares, Consultadoria em Saúde, SA para levar a cabo o projecto daquele que será o primeiro hospital privado de Cabo Verde.

Os promotores, que durante o fim-de-semana passado participaram no Encontro de Empresários para a Cooperação Económica entre a China e os Países de Língua Portuguesa, juntaram-se, através de um protocolo assinado durante o encontro, à empresa chinesa Chinlumac Corporation, Ltd.

“Queremos em conjunto com o parceiro chinês, com quem assinamos o protocolo, candidatar-nos ao Fundo de Cooperação e Desenvolvimento China – Países de Língua Portuguesa no sentido de desenvolver um grande projecto na área do hospital privado”, disse à agência Lusa Emanuel Figueiredo.

O médico cabo-verdiano adiantou que o projecto do hospital nasceu na sequência do empreendimento turístico do ilhéu de Santa Maria (Djeu), que o empresário macaense David Chow está a construir na cidade da Praia, e terá como objectivo prioritário servir o sector do turismo.

“O projecto nasce na capital como sede, mas queremos dar apoio a todas as ilhas. Os novos investimentos que estão a ser feitos vão aumentar muito o turismo e trazer um afluxo muito grande de empresários”, disse.

Explicou que, neste momento, está a ser negociado com os promotores do Djeu se o hospital, que se deverá chamar “Djeu Gamboa”, ficará inserido dentro do empreendimento turístico ou imediatamente ao lado.

O projecto prevê que o hospital ocupe uma área de mais de 1.500 metros distribuídos por quatro pisos com áreas materno-infantil, fisioterapia e reabilitação, urgências e consultas de medicina geral, cuidados cirúrgicos, cuidados médicos e serviços de apoio.

Prevista está também a existência de uma rede de ambulâncias e um heliporto que permitirá o transporte aéreo de doentes em helicóptero.

Tudo num investimento estimado de 27 milhões de euros, que deverá ser financiado em 50% por capitais alheios à empresa promotora.

Emanuel Figueiredo sublinhou que a aposta será na “alta qualidade” e nas tecnologias mais avançadas em matéria de saúde.

Por seu lado, Aníbal Tavares assinalou que o estudo de viabilidade do projeto aponta para que comece a ter “franca rentabilidade” a partir do quarto ano de exploração e que, ao fim do nono ano, seja possível o retorno do investimento inicial na ordem dos 14 a 20 por cento.

“A sustentabilidade é suportada pelos impactos do desenvolvimento turístico do país e pelas sinergias resultantes no contexto dos grandes projectos previstos para Cabo Verde”, segundo a ficha do projecto.

Os promotores não apontam datas para o início ou conclusão do hospital, adiantando que, por agora, estão a trabalhar para encontrar os financiamentos necessários ao arranque do projecto.

Publicidade