“Voltamos para apoiar e vamos fazer a manutenção de 150 ‘kits’ que estão no GTAPE (Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral) e trazer novos equipamentos e materiais”, afirmou Tomás Cabral.

O responsável falava aos jornalistas na sede da cooperação timorense em Bissau, onde hoje foi assinado o acordo de apoio ao processo eleitoral com o primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, no valor de 472,3 mil dólares.

Além do arranjo dos equipamentos de registo biométrico, que tinham sido doados em 2013 para as eleições gerais de 2014, Timor-Leste vai dar também à Guiné-Bissau 10 novos ‘kits’ para atualizar o recenseamento para as presidenciais, previstas para 2019.

“O apoio de Timor-Leste vem precisamente para acelerar este processo e resolver grandes problemas que têm sido postos e dissipar muita desconfiança, que tem havido neste processo”, disse Aristides Gomes.

Segundo o primeiro-ministro guineense, há pessoas com medo que o recenseamento não chegue a todos os locais da Guiné-Bissau, mas, salientou, com o apoio timorense vai avançar-se “rapidamente e talvez bater o recorde em termos de taxa de cobertura”.

Para os 150 ‘kits’ doados por Timor-Leste há quatro anos ficarem operacionais, falta só a chegada à Guiné-Bissau de alguns equipamentos, o que deverá ocorrer a 06 de novembro.

O processo eleitoral para as legislativas, marcadas para 18 de novembro na Guiné-Bissau, tem sido bastante criticado pelos partidos políticos e pela sociedade civil, principalmente o recenseamento, que começou, atrasado, a 20 de setembro.

Recentemente, o Governo anunciou que o recenseamento eleitoral se deveria prolongar até 20 de novembro e terminar dois dias depois da data marcada para a realização das legislativas, que deverão ter de ser adiadas.

A nova data das eleições legislativas ainda não foi confirmada, mas fontes ligadas ao processo admitem dois cenários, nomeadamente eleições em meados de dezembro ou em finais de janeiro de 2019.

Publicidade