Motivada com a vitória nas meias-finais diante da Universidade de Concórdia do Brasil, a formação militar entrou determinada e sempre esteve a liderar o marcador. Decorridos três minutos de jogo, o 1º de Agosto vencia, por 4-0.

Apostado em erguer o primeiro troféu da competição, o técnico Morten Soubak lançou para a quadra, o “sete” inicial constituído por Eloneidys Guevara , Helena Paulo, Vilma Silva, Liliana Machado, Wuta Dombaxi, Cristiane Mwacessa e Albertina Kassoma, com o dispositivo tático (5-1). Em ataque planeado, o 1º de Agosto dificultava a estratégia montada pela equipa anfitriã, que não encontrava espaço de manobra para visar a baliza defendida pela cubana Eloneidys Guevara.

Apesar das trocas constantes de jogadoras, o técnico da formação chinesa não encontrava alternativas para parar o 1º de Agosto, que ao intervalo já vencia (13-10).

No regresso dos balneários, as campeãs africanas mantiveram o domínio e controlo do jogo, circulando a bola. Melhor na abordagem do jogo e folgado no placar, o treinador dinamarquês deu-se ao luxo de rodar a equipa.

Em declarações ao Jornal de Angola, Carlos Hendrick da Silva, presidente de direção do 1º de Agosto, congratulou-se com o feito alcançado. “Angola e o 1º de Agosto estão orgulhosos por esta conquista. Não esperávamos por este feito, mas ninguém pode tirar mérito pela ausência das equipas europeias. Somos campeões”.

Publicidade