“Precisamos de livre circulação de pessoas, bens e serviços, mas principalmente de pessoas, para movimentar o talento. Faço daqui um apelo para que no nosso espaço tenhamos essa livre circulação”, disse Olavo Correia na intervenção de abertura do primeiro painel da conferência “Cabo Verde: Desafios do Futuro”, organizada pela agência Lusa e que decorre hoje na Praia .

Na intervenção, o governante salientou que “África é o parceiro natural da Europa” e acrescentou que a relação entre os dois continentes tem de ser mutuamente vantajosa e baseada nas relações comerciais, e não na caridade.

“Nada de caridade, nenhuma relação se desenvolveu com caridade. Noutro dia, quando me perguntaram sobre a descida nos valores da ajuda pública, eu respondi que isso era uma boa notícia”, lembrou o governante.

Sobre o futuro do país, Olavo Correia defendeu que o arquipélago deve ser “um `hub` tecnológico em África para servir o mundo” e deu o exemplo da Coreia do Sul.

“Ninguém se lembra do nome do Presidente ou do primeiro-ministro, mas quando falamos da Hyundai, da Samsung, da LG, sabemos todos de que país estamos a falar, e por trás de um grande país estão sempre grandes marcas empresariais e por trás delas está a liderança, a gestão, as infraestruturas inteligentes e as competências humanas”, concluiu.

Publicidade