Bruno Albernaz, que falava ao Jornal de Angola, afirmou que o aumento do número de países resulta da nova dinâmica imprimida pelo Executivo na diplomacia económica, no sentido de atrair mais investimento estrangeiro para o país.

Entre os países convidados, referiu, estão Portugal, Alemanha, Indonésia, Turquia, França, Índia, China, Reino Unido, Noruega, Suécia, Suíça, Israel, Brasil, Japão, Bielorrússia, Uruguai, Macau e Itália.

O número de solicitações de empresas estrangeiras para o evento, de acordo com Bruno Albernaz, reflete bem as intenções e os esforços do Executivo de atrair mais investimentos para o país. “A feira viveu momentos menos bons e agora temos feito esforços para reativá-la, desde a 34ª edição em 2017, que teve lugar na Baía de Luanda”, lembrou.

De acordo com o programa, a feira alberga, entre outros eventos, uma conferência internacional sobre modalidade de financiamento para o desenvolvimento económico, com duração de três dias e oradores internacionais, que vão apresentar uma série de programas de incentivo ao crescimento da economia.

Segundo estimativas da organização, a edição da FIL deste ano, que decorre na Zona Económica Especial Luanda-Bengo, num espaço de 28 mil metros quadrados, deve criar 1.200 empregos temporários ao longo dos cinco dias, tempo de duração do evento.

“As inscrições ainda decorrem e creio que vamos ultrapassar a edição passada em vários aspetos. A previsão é de receber 10 mil visitantes por dia”, vaticinou.

A feira termina num do-mingo, com uma Gala de premiação no Hotel de Convenções de Talatona, onde vão ser distinguidas as empresas destacadas.

Publicidade