Mais 50 parques industriais devem ser erguidos até 2022 em todo o país, por meio do Programa de Fomento da Indústria Rural (Profir), anunciou o director do Instituto de Desenvolvimento Industrial de Angola, Luís Manuel Ribeiro.

Mais 50 parques industriais devem ser erguidos em todo o país, por meio do Programa de Fomento da Indústria Rural (Profir), informou o director do Instituto de Desenvolvimento Industrial de Angola (IDIA), Luís Manuel Ribeiro.

Os 50 parques serão implementados durante a presente legislatura, que termina em 2022, e devem ser desenvolvidos com o objectivo de diversificar o ambiente económico dos municípios, tendo em conta o novo contexto macroeconómico. Em construção, estão sete parques nas localidades de Maquela do Zombo (Uíge), Quibaxe (Bengo), Waco Kungo (Cuanza-Sul), Andulo (Bié), Calenga (Huambo), Catchiungo (Huambo) e Quibala (Cuanza-Sul).

Nos anos anteriores, o sector industrial construiu apenas três parques industriais, em pleno funcionamento, nos municípios de Tomboco (Zaire), Cacuso (Malanje) e Canjala (Benguela), com áreas já infraestruturais, incluindo energia e água, e uma série de edifícios, onde foram instaladas moagens, onde já se produz ração animal.

O investimento global num parque industrial ronda os dois milhões de dólares, valor considerado não muito alto. Luís Manuel Ribeiro explicou que foi definido um modelo de parque industrial numa área de três hectares e meio, onde devem ser implantadas as pequenas indústrias.

No programa, estão previstas indústrias de moagem de milho e de mandioca, de extracção de óleo de palma e amendoim (ginguba), de fabrico de compotas e sumo, rações para animais, panificação, confecção têxtil e de serralharia e carpintaria, visando abranger, numa pequena escala, todos os municípios que vivem essencialmente do trabalho agrícola.

Os parques estão a ser construídos pelo Governo e devem contar com a parceria necessária das entidades privadas interessadas em aderir ao projecto e desenvolver o mesmo a nível dos municípios. “Os projectos já estão em curso e garantimos que no prazo estabelecido estarão prontos e em pleno funcionamento”, disse Luís Manuel Ribeiro.

O Instituto de Desenvolvimento Industrial de Angola trabalha no projecto com o IDA (Instituto de Desenvolvimento Agrário), para ambos desenvolverem a relação esperada entre o sector industrial e os membros da agricultura familiar. O IDA tem como responsabilidade o desenvolvimento da agricultura familiar, enquanto o IDIA cuida da parte industrial.

Estão previstas indústrias de moagem de milho e de mandioca, de extracção de óleo de palma e amendoim (ginguba), de fabrico de compotas e sumo, rações para animais, panificação, confecção têxtil e de serralharia e carpintaria

“É necessário estabelecer uma relação, para conseguirmos chegar aos objectivos finais, sendo que, com a intervenção dos pólos industriais e dos parques, muito se ajuda no fomento do interior do país, essencialmente na criação de emprego e da riqueza, dentro daquilo que são os objectivos do Governo para o aumento da capacidade produtiva, a substituição das importações e fomento das exportações”, Luís Manuel Ribeiro.

O endereço electrónico www.idia.co.ao é o novo contacto “online” do IDIA, aberto oficialmente há uma semana como ferramenta útil para os industriais e para a promoção do sector a nível nacional.

No site, estão disponíveis informações e actividades realizadas pelo sector industrial, nas línguas portuguesa e inglesa, com indicações de histórico, notícias, pólos industriais e programas, entre outros valores.

Publicidade