Angola: Bianchi reconhece forte pressão

0

O seleccionador nacional, Beto Bianchi, está consciente da pressão que terá pela frente no jogo decisivo de amanhã às 16h30, no Estádio 11 de Novembro, que pode qualificar os Palancas Negras à fase final do CHAN do Quénia em 2018, pois garante que já viveu situações semelhantes.O treinador recordou que já passou por situações de pressões da mesma dimensão que a qualificação de amanhã para a competição ligada aos jogadores que actuam nos campeonatos internos.

“Eu particularmente já vivi outras situações, no futebol não e somente ser campeão ou qualificação para um CHAN ou CAN, existem outras situações também de altas exigências e alta pressão. Na Jordânia por exemplo, fui contratado para salvar uma equipa da descida de divisão, são situações também altamente de pressão, talvez uma pressão mais forte ainda porque perde uma categoria e é muito duro e nós jogamos até ao último jogo a salvação”, lembrou o técnico com bastante segurança.

Beto Biachi mostrou-se tranquilo quanto ao desafio e o ambiente saudável que reina no seio do grupo, espera aproveitar esse momento com a qualificação que seria um “prémio” para o colectivo. “Estou muito tranquilo estou consciente da pressão, da necessidade do país, venho falando muito com os jogadores sobre isso, mas é um ambiente tranquilo, sabemos o que nós vamos enfrentar e acho que muita gente sonha antes, quando nós começamos no primeiro jogo contra Moçambique, chegar neste último jogo com essas opções. É um prémio que a gente tem e esperamos aproveitá-lo e garantir a qualificação”, disse.

Neste jogo a equipa técnica prevê algumas alterações, mas mantendo a mesma filosofia de jogo, com posse de bola e no momento certo finalizar com êxito, mantendo a cabeça fria para conquistar a qualificação.”Possivelmente pode haver alguma mudança, mas também não somos kamikazes. Os jogos são noventa minutos, temos pela frente uma selecção muito boa, com jogadores individuais, que podem mudar o jogo, mas nós temos de fazer as coisas com cabeça e não com o coração”, alertou o seleccionador nacional.

Bianchi não escondeu o desejo de resolver a eliminatória logo nos minutos iniciais para retirar uma certa pressão aos seus jogadores.
“Todo o treinador gostaria que em cinco minutos o jogo já estaria resolvido, mas não é assim, temos que trabalhar, não podemos ir de peito aberto. Fora jogámos com pressão alta, fechamos os espaços”, garantiu.

PÚBLICO
Técnico quer estádio cheio

A enchente protagonizada pelos apoiantes dos Escorpiões no seu estádio mereceu o elogio do seleccionador nacional, Beto Bianchi, que deseja que o mesmo cenário se repita no Estádio 11 de Novembro, com a presença dos adeptos dos Palancas Negras.  “Como profissional tanto treinador como jogador, viver daquele ambiente acho que é um prémio, e foi um espectáculo, o futebol sem adeptos acho que seria horrível, nós que estamos neste mundo há muitos anos acho que seria um sonho ser o Estádio 11 de Novembro cheio”, lembrou o técnico Beto Bianchi.

O “pastor” dos Palancas Negras apelou a presença em massa dos amantes do desporto rei, referindo que “volto a fazer este apelo, sozinho a gente não pode conseguir, a organização está a trabalhar para que saia tudo bem, é muita gente a trabalhar para o jogo e os adeptos têm a parte deles, são também protagonistas do espectáculo. Aproveito para pedir que venham, mas com a intenção de ajudar, é nos momentos difíceis que pedimos ajuda, nos momentos fáceis ninguém pede ajuda”, exortou.

A preparação durante a semana tem decorrido dentro do previsto pela equipa técnica, além do trabalho técnico e táctico, investe no aspecto psicológico, com o diálogo constante com os jogadores. “Esta semana estamos a fazer o trabalho de campo e fora de campo, tem haver com o psicológico, tenho conversado com eles, para que estejam tranquilos e que estejam confiantes para este jogo. Nós vimos o rival, sabemos do potencial deles, os pontos fortes e fracos, é sobre isso que estamos a trabalhar esta semana”, concluiu.Ontem à tarde no Estádio 22 de Junho os Palancas Negras retomaram a sessão de treinos, com a concentração defensiva e a finalização a dominar o dia. Hoje às 10h30, no mesmo local, realizaram o último treino.    

INGRESSOS
Trinta mil bilhetes
estão disponíveis em Luanda

A Federação Angolana de Futebol (FAF) colocou a disposição do público 30 mil bilhetes para que, se desloquem em massa ao Estádio 11 de Novembro com o objectivo de formar uma forte corrente para apoiar amanhã a Selecção Nacional neste importante desafio de qualificação ao CHAN do Quénia, em 2018, de acordo com Rui Costa, secretário-geral daquela instituição desportiva. Os preços são nos valores de Kwz1000.00 e Kwz. 3000.00
O dirigente federativo confirmou que colocaram os ingressos em vários pontos de vendas espalhados pela capital do país, denominadamente cantinas (quiosques) Telo, Estádio dos Coqueiros, Casa da Juventude em Viana, Galeria dos Desportos, Calemba 2, Vila de Viana, Cacuaco-Dibondo Comercial, Estádio 22 de Junho, Catetão, equipa de venda itinerante (carro trio eléctrico) e o Estádio 11 de Novembro.

Informou ainda que os ingressos habilitam os adeptos a um sorteio com mais de 15 prémios, que vão desde diversos tipos de electro-domésticos, à duas moto rápida e a uma viatura de marca Hundai I10.  O quarteto dos árbitros é proveniente da Etiópia e o comissário ao jogo da Namíbia. O árbitro principal será Bamlak Tessema Weyesa (Etiópia), os assistentes Kinfe Yilma Kinfe e Shewangizaw Kassaun (Etiópia), sendo o quarto árbitro Biruk Kassaun (Etiópia). O comissário ao jogo será Matheus Joel Amadhila (Namíbia).      

Publicidade