Segundo uma nota de imprensa do Ministério das Relações Exteriores (MIREX), pela parte angolana fará a assinatura do documento o titular do pelouro, Manuel Augusto, que viaja hoje, quinta-feira, para a Roma, capital da Itália, a fim de efetuar uma visita de trabalho de três dias.

Trata-se de um instrumento jurídico que vem sendo discutido há alguns anos pelas autoridades angolanas e pelos representantes da Igreja Católica em Angola. Pretende-se, com o mesmo, que todas as instituições católicas no país, como dioceses, congregações religiosas e escolas sejam reconhecidas pelo Estado angolano. Para tal, o Presidente da República, João Lourenço, criou, em Março de 2018, uma Comissão Interministerial para cuidar das negociações relativas ao referido instrumento jurídico a ser celebrado com a Santa Sé. Angola e a Santa Sé mantêm relações diplomáticas desde a nomeação, em 1608 (século XVII), de António Manuel Nvunda, como primeiro embaixador, em Roma, do então Reino do Kongo.

O Papa João Paulo II foi a primeira mais alta entidade da Igreja Católica a visitar Angola, em 1992. Durante a sua estadia em Roma, o ministro Manuel Augusto visita a nova Chancelaria da Embaixada de Angola na Itália.

Publicidade