Numa nota, enviada hoje à agência Lusa, o Ministério das Relações Exteriores angolano dá conta de que a reunião de sábado entre o chefe da diplomacia de Angola, Manuel Augusto, e a homóloga são-tomense, Elsa Pinto, decorreu à margem da 12.ª Cimeira Extraordinária da UA, que decorre em Niamey (Níger) até segunda-feira.

Segundo o documento, Angola encontra-se numa fase de preparação dos procedimentos internos para a ratificação do acordo de criação da Zona de Comércio Livre Africana, depois de ter assinado o documento em marco de 2018, em Kigali, numa sessão extraordinária de chefes de Estado e de Governo da UA.

São Tomé e Príncipe, por seu lado, integra o grupo de 25 países que ratificaram a convenção e espera que a implementação do acordo traga uma “nova perspetiva” para o crescimento africano e que “reduza as assimetrias”.

Segundo o comunicado, Elsa Pinto realçou que, para os países apreciarem aspetos ligados à cooperação bilateral e, na qualidade de membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), é “importante ter um alinhamento sobre determinadas questões”.

Os dois ministros discutiram ainda o funcionamento da UA, nomeadamente o projeto de reestruturação da organização, a relação com as Comissões Económicas Regionais e os órgãos de gestão.

O chefe da diplomacia angolana encontra-se desde quinta-feira em Niamey, onde representa o Presidente de Angola, João Lourenço, na cimeira, em que os chefes de Estado e de Governo farão o lançamento oficial da Zona de Livre-Comércio Continental Africana.

Publicidade