O Presidente da República, João Lourenço, assegurou ontem, em Luanda, que Angola vai continuar firme e comprometida com uma Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) desenvolvida e verdadeiramente integrada. Ao discursar na abertura da 43ª Assembleia Plenária do Fórum Parlamentar da SADC, o Chefe de Estado adiantou que este é o momento dos países da região redefinirem prioridades, acrescentando valor aos seus abundantes recursos naturais.

João Loure-nço assegurou ontem, em Luanda, que Angola vai continuar firme e comprometida com uma SADC desenvolvida e verdadeiramente integrada.

Ao discursar na abertura da 43ª Assembleia Plenária do Fórum Parlamentar da SADC, João Lourenço adiantou que o compromisso de Angola em apoiar uma região da SADC unida é incontestável. O Chefe de Estado reconheceu a importante contribuição da SADC na procura de uma paz duradoura para o país, realçando que a história de Angola e a da região da SADC estão intimamente ligadas.

A realização dos objectivos da Agenda Comum da SADC, salientou, requer o envolvimento de todos na região, especialmente dos Parlamentares.

Quanto à transformação do Fórum Parlamentar em Parlamento regional, João Lourenço acredita que se o assunto for devidamente fundamentado e agendado pelo Secretariado Executivo da organização, os Chefes de Estado prestarão a sua melhor atenção.

João Lourenço defende que a região austral deve fazer uma introspecção sobre as razões reais que fazem com que a agenda de desenvolvimento e integração não caminhe no ritmo que todos desejam. “Este é o momento de redefinir prioridades, acrescentando valor aos nossos recursos preciosos através da industrialização e maximizar os benefícios que podemos obter da exportação de produtos acabados”, salientou.

O PR falou do paradoxo entre os abundantes recursos naturais dos países da SADC e o pouco desenvolvimento industrial da região. “Só a região da SADC contribui com 72% de platina do mundo, 55% de diamantes, 41% de cromita, 26% de ouro e 21% de zinco”

João Lourenço falou da revisão e da reorientação do Plano Estratégico Indicativo Regional de Desenvolvimento (RISDP) complementado pela Estratégia de longo prazo de Industrialização da SADC e espera que a referida Estratégia e Roteiro de Industrialização resulte, para que a região e os respectivos países beneficiem de maior oferta de bens e de emprego, reduzindo a pobreza e a fome.

Para João Lourenço, o facto de Angola acolher pela terceira vez o Fórum Parlamentar da SADC, demonstra o compromisso e engajamento das suas autoridades com os desígnios que nortearam a criação da organização.

O Presidente da República pediu aos parlamentares para prestarem a devida atenção aos objectivos que motivaram a criação desta organização regional e destacou a promoção do crescimento económico sustentável, da cooperação e integração económica, da boa governação, da paz e segurança duradouras.

No decorrer dos trabalhos da Assembleia Plenária, serão debatidas questões candentes para a organização e funcionamento do Fórum Parlamentar da SADC, tendo como lema central “Aprofundar a Integração Económica da SADC através da Industrialização O Papel dos Parlamentos” .

João Lourenço pediu aos participantes para explorarem o contributo que os Parlamentares da região podem emprestar ao desenvolvimento sustentável da SADC.

O Fórum Parlamentar da SADC, disse, trabalha na promoção do diálogo e da cooperação entre os EstadosMembros em matéria de desenvolvimento socio-económico, com a finalidade de aumentar a prosperidade económica, mas entende que estas acções só poderão ser alcançadas se a SADC, enquanto espaço comunitário, for capaz de manter permanentemente a estabilidade política e social que a caracteriza.

Segundo João Lourenço, o facto de que, passados 20 anos, a organização parlamentar continuar a representar os interesses dos povos da região “é uma prova irrefutável de que o seu legado se mantém vivo e activo”.

O presidente do Fórum Parlamentar da SADC, Fernando da Piedade Dias dos Santos, afirmou que a organização reconhece a importância e os benefícios que o processo de integração económica da região podem trazer , por isso se propôs a abordar o tema da industrialização da SADC e o seu papel crucial no processo de integração económica.

Parlamento regional

O presidente da Assembleia Nacional falou da indispensável necessidade de se transformar a organização de uma mera plataforma de intercâmbio parlamentar para um Parlamento Regional, um desejo defendido há mais de 21 anos e pediu a intervenção do Presidente da República no sentido de influenciar outros Chefes de Estado e de Governo da SADC para que na próxima Cimeira da organização, em Agosto, a transformação do Fórum em Parlamento Regional se efective.

Fatuna Ibrahim Ali, membro da Assembleia Legislativa da África Oriental, apoia a transformação do Fórum em parlamento regional e solicitou aos Estados membros a apoiaram a iniciativa.

Hélio de Jesus Sanches, que representou o Parlamento Pan-Africano, disse que o organismo que representa acompanha com muita atenção a problemática da integração africana, que constitui um desafio para os Estados membros da União Africana.

Para Hélio de Jesus Sanches, o tema proposto para o Fórum é oportuno e de grande importância e entende que não pode haver uma verdadeira integração económica da SADC sem a participação e intervenção activa dos seus principais beneficiários, que são as populações. Acrescentou que os Parlamentos têm um papel importante na integração económica da região da SADC.

A presidente do Grupo Regional de Mulheres Parlamentares, Matsepo Molise Ramakoae, apresentou uma mensagem de apoio a todas as mulheres e destacou o trabalho de mulheres como Winnie Mandela e Deolinda Rodrigues na luta pelo desenvolvimento do continente.

A presidente da Assembleia da República de Moçambique, Verónica Macamo, espera o apoio do Presidente de Angola para tornar o Fórum Parlamentar mais activo e actuante em prol do bem-estar dos povos da África Austral.

João Lourenço defende que a região austral deve fazer uma introspecção sobre as razões reais que fazem com que a agenda de desenvolvimento e integração não caminhe no ritmo que todos desejam.

Publicidade