O reconhecimento foi feito pelo filho primogénito de Jonas Savimbi, Durão Sakaita Savimbi, durante a leitura da mensagem de homenagem, na cerimónia de inumação que decorreu no cemitério de Lopitanga, município do Andulo, a 130 quilómetros do Cuito, Bié.
 
A família agradeceu “sincera e profundamente a sensibilidade e espírito reconciliador” do Presidente João Lourenço, em entregar as ossadas de Savimbi, 17 anos depois da morte em combate, na comuna do Lucusse, município do Moxico.

O Presidente João Lourenço havia criado uma comissão multissectorial, para o processo de exumação, transladação e inumação dos Restos Mortais de Jonas Savimbi, dirigida pelo ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança, Pedro Sebastião.

Integram a comissão multissectorial, além de membros do Governo, representantes da família de Jonas Savimbi e do partido.

A inumação dos restos mortais de Jonas Savimbi surge depois da confirmação laboratorial de que as amostras recolhidas no cemitério do Luena pertenciam ao antigo líder da UNITA.

Nascido na localidade de Munhango, província do Bié, a 3 de Agosto de 1934, Jonas Savimbi morreu, em combate, no Lucusse, província do Moxico, a 22 de Fevereiro de 2002.

Publicidade