Num comunicado, aquele órgão de direção do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) “enaltece” os esforços de João Lourenço – também líder do partido desde 08 de setembro último – e do executivo “na busca de soluções destinadas a “repor a credibilidade das instituições do Estado e promover o bem-estar dos angolanos”.

“Assim, o Bureau Político do MPLA incentiva o camarada João Lourenço, na sua qualidade de chefe de Estado, a prosseguir com o combate contra a corrupção, o nepotismo, a bajulação e a impunidade, como males que enfermam a sociedade e construir uma Angola assente em bases de respeito à ordem e à lei”, lê-se na declaração.

No comunicado, o Bureau Político do MPLA “reitera” o “apoio incondicional” e manifesta “disponibilidade” para continuar a apoiar João Lourenço no cumprimento da sua missão de dirigir os destinos do País, consubstanciada no lema “melhorar o que está bem e corrigir o que está mal”.

Saudando as medidas económicas em curso, aquele órgão do MPLA incentiva o Presidente angolano a continuar, “com o rigor que se impõe”, a implementar as reformas destinadas à promoção de uma economia sustentável, apoiada no Programa de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018/2022.

Por outro lado, “exalta o espírito de entrega pessoal do chefe de Estado” na realização dos grandes objetivos nacionais – consolidação da paz e da democracia, preservação da unidade e coesão nacional, reforço da cidadania e construção de uma sociedade cada vez mais inclusiva, reforma e modernização do Estado e do papel de Angola no contexto africano e mundial.

Nesse sentido, exorta ainda os “militantes, simpatizantes, amigos do partido e o povo angolano em geral” a associarem-se “à atual dinâmica governativa”, contribuindo, cada um no seu local de trabalho ou de residência, na promoção da boa imagem do País em construção, para a garantia de um futuro próspero para todos.

João Lourenço foi eleito chefe de Estado de Angola nas eleições gerais de 23 de agosto de 2017, tendo sido empossado a 26 de setembro do mesmo ano.

Tornou-se o terceiro Presidente de Angola deste a independência do país, em 1975, sucedendo a António Agostinho Neto (1975/79) e José Eduardo dos Santos (1979/2017).

Por outro lado, a 08 deste mês, João Lourenço assumiu a liderança do partido que sempre governou o país, o MPLA, sucedendo também a Eduardo dos Santos, que deixou a política ativa angolana.

Publicidade