“Vivemos um período de seca prolongada no sul do país e esperamos também que a contribuição e experiência dos parceiros da CPLP possa constituir uma mais-valia para aquilo que pretendemos fazer para reverter esta situação”, pediu o membro do Governo de Angola.

O governante falava na abertura do 14º Simpósio de Hidráulica e Recursos Hídricos dos Países de Língua Portuguesa, que decorre na cidade da Praia, Cabo Verde, sob o lema “25 anos construindo a comunidade de água da CPLP”.

O secretário de Estado das Águas disse que espera “beber” na experiência, por exemplo, de Cabo Verde, país que está habituado a lidar com o problema da escassez de água e das secas e desenvolve práticas de uso racional da água.

“Nós que vivemos muitas vezes eventos extremos, temos seca, já tivemos períodos de cheias, esta questão da adaptação pode ser melhorada e bem conduzida quando partilharmos as nossas dificuldades com as experiências bem sucedidas de outros”, frisou.

Para Lucrécio Costa, o facto de os países terem muita semelhança em termos de hábitos e costumes são “ingredientes suficientes” para darem um exemplo do que a comunidade científica da CPLP possa fazer.

Durante o simpósio, o governante angolano espera adquirir experiência e resultados que possam ajudar Angola a melhorar a sua resiliência no que diz respeito à gestão da água e às secas.

“Temos cá o diretor do Instituto Nacional dos Recursos Hídricos, gente da academia que estará com esta perspetiva de partilha de saber e de experiências”, disse o secretário de Estado, que enumerou algumas reformas institucionais em Angola para melhorar o acesso à água e a gestão dos recursos hídricos.

Além de vários obras em perspetiva para captação de água, Lucrécio Costa considerou que os maiores desafios em Angola são a atualização dos planos diretores de abastecimento de água para as principais cidades do país, a atualização dos planos gerais de aproveitamento de bacias e o robustecimento organizacional de todas as entidades envolvidas no processo de gestão da água.

O simpósio na cidade da Praia é organizado pela Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos, a Associação Brasileira de Recursos Hídricos, a Associação Cabo-verdiana de Recursos Hídricos e pela Associação Aquashare Moçambique, em parceria com o Governo cabo-verdiano.

Durante o evento de quatro dias, os participantes vão analisar e debater vários temas, visando encontrar soluções para os problemas específicos e comuns que caracterizam a gestão dos recursos hídricos de cada um dos países de língua portuguesa.

O simpósio, que se realizou pela primeira vez há 25 anos e acontece pela segunda vez em Cabo Verde, pretende ainda promover o avanço do conhecimento nos domínios da hidráulica e dos recursos hídricos, e estimular o intercâmbio de ideias e de experiências.

Adaptação às mudanças climáticas, educação para uma nova cultura de água, energia e segurança das barragens, gestão da recarga de aquíferos, as Tecnologias de Informação e Comunicação na gestão dos recursos hídricos, gestão das zonas costeiras e orlas marítimas, são algumas das temáticas que constam no programa do simpósio.

Publicidade