Estas doações somam-se aos 2,6 milhões de dólares (2,3 milhões de euros) disponibilizados pela China e aos dois milhões de euros da França, totalizando 17 milhões de dólares (cerca de 15 milhões de euros), que serão usados para recapitalizar a capacidade financeira deste Fundo, gerido pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla em inglês).

“Estas doações mostram o sucesso do Fundo [ASTF, na sigla em inglês]. Os excelentes resultados nos últimos cinco anos são a prova viva disso e a generosidade dos doadores é um exemplo único da forte solidariedade que existe entre os países africanos”, disse Maria Heleno Semedo, vice-diretora-geral da FAO, no final de uma reunião que decorreu no âmbito dos Encontros Anuais do Banco Africano de Desenvolvimento, que decorrem até sexta-feira em Malabo, capital da Guiné Equatorial.

Este fundo fiduciário, que já financiou 41 projetos em 18 países, é liderado por países africanos, destina-se a “apoiar iniciativas locais de desenvolvimento e tem como principal objetivo o fortalecimento da segurança alimentar em todo o continente, ajudando os países e as suas organizações regionais a erradicar a fome e a desnutrição, eliminar a pobreza rural” e administrar “os recursos naturais de maneira sustentável”, segundo a FAO.

Publicidade