A evolução das cidades e os problemas que enfrentam nove países e territórios lusófonos vão dominar, no sábado, em Macau, o 23.º encontro do Conselho Internacional dos Arquitetos de Língua Portuguesa (CIALP), foi hoje anunciado.

Neste encontro, especialistas de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Goa vão “partilhar experiências” no VII Fórum CIALP sobre “Cidades Melhores: o Contributo das Infraestruturas”, no sábado, dia 26, de acordo com um comunicado da CIALP.

O presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), Nivaldo Andrade; o `associate-dean` da faculdade de Arte e Design do Beijing Institute of Fashion Technology (BIFT), Che Fei; o presidente da União dos Arquitetos Africanos, Victor Leonel (Angola); o fundador do Atelier Peter Rich Architects (África do Sul), Peter Rich; e o diretor da Ordem dos Arquitetos de Moçambique, Jaime Comiche, entre outros, vão participar em duas mesas-redondas subordinadas aos temas: “Infraestruturas como dispositivo para urbanizar” e “Resiliência e os desafios da cidade”, acrescentou.

Na sexta-feira, no dia 25, no âmbito do mesmo encontro, será inaugurada a exposição de fotografia sobre o Património Habitado no Mundo Lusófono, no átrio do Consulado-Geral de Portugal em Macau e Hong Kong, indicou.

O CIALP é uma organização não-governamental, com sede em Lisboa, constituída pelas associações profissionais de arquitetos dos países e territórios de língua portuguesa. É parceiro institucional da União Internacional dos Arquitetos (UIA) e observador consultivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O objetivo do CIALP é a aproximação e a cooperação entre os membros, e a promoção da arquitetura junto de mais de 280 milhões de pessoas dos países e territórios lusófonos, constituindo-se como plataforma para mais de 150 mil arquitetos de língua portuguesa, ou seja, cerca de 10% dos arquitetos em todo o mundo.

A Ordem dos Arquitetos de Angola, o Instituto de Arquitetos do Brasil, a Ordem dos Arquitetos de Cabo Verde, a Secção de Goa do Instituto Indiano de Arquitetos (Índia), a União dos Arquitetos da Guiné-Bissau, a Associação dos Arquitetos de Macau (República Popular da China), a Associação Moçambicana de Arquitetos e a Ordem dos Arquitetos de Portugal fazem parte do CIALP.

Os Estados-membros da CPLP são Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Publicidade