O audiolivro “O menir de ouro”, que os autores Uderzo e Goscinny, criadores de Astérix, fizeram em 1967, vai ser editado em outubro pela primeira vez, em álbum, revelou hoje a editora Leya.

Um mês depois da morte de Albert Uderzo, é revelada a publicação da banda desenhada “O menir de ouro”, marcada para 21 de outubro a nível internacional, incluindo Portugal.

Segundo a editora, “O menir de ouro” foi editado pela primeira vez em 1967, em formato audiolivro, e as pranchas foram digitalizadas e alvo de um “minucioso trabalho de restauro” em 2019, ainda com a supervisão de Uderzo.

A par da edição da BD, em outubro será ainda editada em formato digital a gravação áudio da história.

Em “O menir de ouro”, o protagonista é Cacofonix, o bardo que ninguém suporta na irredutível aldeia gaulesa, que decidiu participar num concurso de canto para conquistar um prémio, que dá nome ao livro.

Uderzo assinou as primeiras aventuras de Astérix, o Gaulês, com René Goscinny, em 1959, e juntos publicaram 24 álbuns, ao longo de uma colaboração fraterna que durou 26 anos.

Em sessenta anos foram vendidas 380 milhões de cópias de álbuns de aventuras dos “irredutíveis gauleses”, em 111 idiomas, incluindo a língua mirandesa.

A obra de Uderzo tem sido utilizada em filmes, desenhos animados, parques de diversões, brinquedos ou jogos de vídeo, entre outros.

Goscinny morreu em 1977, e depois de Uderzo se reformar, os últimos álbuns das aventuras de Astérix e do seu camarada Obélix foram compostos por outros artistas, fiéis ao estilo e ao traço do artista, como Frédéric e Thierry Mébarki e Jean-Yves Ferri.

Portugal foi o primeiro país não francófono a publicar as aventuras do pequeno gaulês e do seu amigo Obélix, na defesa da irredutível aldeia contra as tropas romanas de Júlio César, com a ajuda de uma poção secreta.

O irredutível guerreiro gaulês apareceu pela primeira vez nas páginas da revista Foguetão, no dia 04 de maio de 1961, e saiu em álbum em 1967, com a edição de “Astérix, o Gaulês”.

O mais recente livro de Astérix saiu em outubro de 2019, com o título “A filha de Vercingétorix”, uma jovem adolescente que se juntou a Astérix e Obélix.

Desde o início de abril, tem sido publicada gratuitamente uma revista digital do Astérix, com pranchas de banda desenhada, jogos e atividades.

A ideia partiu das Edições Albert René, pertencente à Hachette, editora oficial da coleção Astérix, dias após a morte de Albert Uderzo, e está a ser publicada em Portugal pela Leya.

Publicidade