“Quer o Japão, quer o Banco, definiram um valor de 1,75 mil milhões de dólares cada, entre 2020 e 2022, para melhorar a quarta fase da iniciativa Assistência Aumentada ao Sector Privado de África [EPSA4, no original em inglês] e potenciar o crescimento sustentado e inclusivo liderado pelo sector privado”, lê-se num comunicado distribuído pelo banco africano, com sede em Abidjan, no final da conferência que reuniu em Yokohama centenas de representantes do sector público e privado japonês e africano.

“Analisando os objetivos alcançados com sucesso até agora, o Japão e o BAD decidiram melhorar o EPSA quer em qualidade, quer em quantidade, para ir ao encontro não só das necessidades de financiamento para o desenvolvimento de infraestruturas, mas também das necessidades de desenvolvimento do sector privado em África”, disse o ministro de Estado e das Finanças do Japão, Keisuke Suzuki, durante a conferência TICAD, que decorreu no Japão.

A eletricidade, os transportes e a saúde serão as áreas prioritárias do EPSA4, sendo que os projetos terão de ser formulados e implementados de acordo com as linhas orientadoras adoptadas pelos Princípios do G20 para a Qualidade do Investimento em Infraestruturas, num ‘pacote’ que inclui também “apoio para os países africanos melhorarem e criarem ambientes empresariais propícios ao investimento e à atracão de investidores estrangeiros”.

“Hoje é outro dia importante para assinalar a parceria forte e cheia de impacto entre o Japão e África”, comentou o presidente do BAD, Akinwumi Adesina, salientando a importância da EPSA para “fornecer um apoio tão necessário ao sector privado”.

Este quarto pacote de ajuda para os próximos três anos representa um acréscimo face aos anteriores, já que o EPSA1, o primeiro, entre 2005 e 2011, representou um montante de mil milhões de dólares (912 milhões de euros), que foi aumentado para 2 mil milhões (1,82 mil milhões de euros) entre 2012 e 2016 e novamente ampliado no EPSA3, entre 2017 e 2019, para o total de 3 mil milhões de dólares (2,73 mil milhões de euros).

O BAD e a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) já cofinanciaram 25 projetos em áreas de transportes, nomeadamente na Costa do Marfim, e redes de transmissão de eletricidade, como aquela que está em curso em Angola, lê-se ainda no comunicado.

Publicidade