Este tipo de parcerias tem sido cada vez mais frequente: unindo esforços, as empresas tentam acelerar o desenvolvimento de novos conceitos dentro da área da mobilidade. Por isso, a associação da Boeing à Porsche, que recentemente lançou um novo modelo elétrico, não é uma surpresa total.

Há várias empresas interessadas no desenvolvimento de novos veículos para a mobilidade urbana, nomeadamente no mundo dos carros-voadores. A Boeing é uma dessas “concorrentes” a uma fatia do mercado – este ano, fez até um teste com um protótipo de carro-voador, com autonomia para cerca de 80 quilómetros.

Por outro lado, a Boeing enfrenta a concorrência da Airbus neste mercado, que também está interessada em desenvolver veículos do género.

Com esta parceria, a Boeing e a Porsche indicam que “vão analisar o potencial de mercado premium para veículos aéreos e a possibilidade de utilização em cidades altamente povoadas”.

A parceria surge num momento crucial para ambas as empresas. Por um lado, a Porsche, uma das empresas do universo da Volkswagen, está interessada na associação ao mundo dos veículos elétricos, após o escândalo de emissões poluentes da empresa-mãe. Por outro, a Boeing vê-se a braços com a crise dos aviões 737 Max, em que duas quedas deste modelo fizeram quase 400 mortos. Ao longo dos últimos meses, as autoridades aéreas impediram as companhias aéreas de utilizar este modelo, com receio de novos acidentes.

Publicidade