Bruxelas e Londres retomam hoje por videoconferência as negociações para definir a futura relação.

Os negociadores do bloco europeu e britânico para a futura relação após o ‘Brexit’ chegaram na passada quarta-feira a acordo sobre o novo calendário para retomar as negociações, que estavam suspensas devido à pandemia de covid-19, em novas rondas realizadas por videoconferência.

Numa declaração conjunta divulgada quarta-feira – após uma reunião por via digital entre o negociador da União Europeia (UE) para a futura relação com o Reino Unido, Michel Barnier, e o seu homólogo britânico, David Frost – lê-se que “as duas partes concordaram com a necessidade de organizar novas rondas de negociações a fim de chegar a progressos reais e tangíveis nas negociações até junho”, altura apontada desde o início para um ponto de situação.

Dadas as restrições adotadas pelos governos nacionais para tentar conter a pandemia da covid-19, estas novas rondas de negociações serão realizadas por videoconferência, tendo “a duração de uma semana inteira”, segundo o comunicado conjunto.

Assim, as novas datas agora apontadas são as semanas de 20 de abril, 11 de maio e 01 de junho.

“A reunião de alto nível prevista para junho servirá para fazer o balanço dos progressos realizados”, destacam os blocos comunitário e britânico na declaração conjunta.

A primeira ronda das negociações sobre o futuro relacionamento entre o Reino Unido e a UE, na sequência da saída do país formalizada a 31 de janeiro, decorreu em Bruxelas entre 02 e 05 de março e a segunda ronda estava prevista para se realizar em Londres entre 18 e 20 de março, mas tal não aconteceu devido à pandemia de covid-19.

Inicialmente, estavam previstas novas rondas em abril e maio, alternando entre as duas cidades, envolvendo dezenas de pessoas em cada equipa, que agora acontecerão por via digital.

Para junho continua a estar prevista uma cimeira de líderes para avaliar o progresso e decidir uma extensão do período de transição, que termina a 31 de dezembro.

O governo britânico já reiterou que não pretende pedir um prolongamento.

Publicidade