O livro “Bá dal na Rádio – Memórias da Rádio Barlavento” do jornalista Carlos Filipe Gonçalves vai ser lançado hoje, na Livraria Pedro Cardoso, na cidade da Praia.

Neste livro, Carlos Gonçalves, que começou a trabalhar na Rádio Barlavento aos 16 anos, conta as suas memórias e as memórias e experiência de várias pessoas que trabalharam na rádio, com base em entrevistas e investigações.

Ainda, nesta obra, o autor descreve o contexto social da época e traça o percurso histórico que culmina no assalto e encerramento daquela rádio e do Grémio Recreativo Mindelo em 1974.

“Um acerto de contas numa luta de classes latentes desde o início do século XX que terminou com a nacionalização dos órgãos de comunicação social e um monopólio ou situação dominante do Estado que vigora até a presente” lê-se na sinopse.

“Bá dal na Rádio”, conforme contou em declarações à Inforpress, originou de uma “brincadeira” nos órgãos de comunicação social em São Vicente logo após a tomada da rádio, isto é o encerramento da Rádio Barlavento.

“Naquela altura imperava um ambiente revolucionário, em que havia muitas reuniões e as pessoas enviavam comunicados à rádio e com essa chuva de comunicados na rádio acabou por originar essa frase, no qual todos brincavam e diziam ‘Vai dar isso na Rádio’”, relatou.

A apresentação da obra estará a cargo do professor e reitor da Universidade Jean Piaget, Wlodzimierz Szymaniak.

Carlos Filipe Fernandes da Silva Gonçalves é jornalista e músico. Nasceu em Mindelo, São Vicente em 12 de Outubro de 1950, começou aos 16 anos a trabalhar na Rádio Barlavento, como discotecário, e teve a seu cargo por quatro anos a programação musical da estação emissora na época.

Em 1971 deixou São Vicente para cumprir o serviço militar em Portugal, foi mobilizado para Guiné-Bissau em 1973.

Publicidade