A Associação Cabo-verdiana de Autopromoção da Mulher (MORABI) em parceria com a R7Eventos realiza no próximo dia 31 de Julho, na capital cabo-verdiana, uma noite cultural com atuação de vários artistas nacionais para celebra o dia da Mulher Africana.

Em declarações à Inforpress, a coordenadora da MORABI- região norte, Fátima Santos, destacou a importância da celebração da efeméride, adiantando que se trata de uma iniciativa, de cariz social, em que parte da receita arrecadada será destinada às beneficiárias do programa de Saúde Sexual e Reprodutiva.

“Para assinalar a data em Cabo Verde, a MORABI propõe levar a cabo uma atividade cultural, no próximo dia 31 de Julho, pelas 21:00, na Assembleia Nacional com a presença de artistas nacionais homenageando a mulher Africana e, em particular, a mulher cabo-verdiana, com uma noite de espetáculo em que as nossas belíssimas vozes femininas e masculinas da nossa música e cultura abrilhantarão o evento”, indicou, salientando o contributo da Mulher Africana no desenvolvimento do continente africano.

Fazendo uma abordagem sobre a situação da Mulher Africana, lamentou que apesar de algumas conquistas que a mulher africana tem alcançado no que se refere à sua independência económica o panorama continua “trágico”.

Conforme frisou, durante séculos, o papel da mulher africana incidiu sobretudo na sua função de mãe, esposa e dona de casa existindo assim uma desigualdade em relação ao homem que sempre lhe foi permitido trabalhar no exterior do núcleo familiar.

“Nas camadas mais desfavorecidas, as mulheres são duplamente sacrificadas, porque, para além das suas profissões, têm que prover, quase sempre a sós, ao cuidado da casa e dos filhos, quando não enfrentam, acrescida, muitas vezes em silêncio, a violência doméstica”, apontou.

No entanto, hoje, de acordo com Fátima Santos, verifica-se que a adopção de políticas tem permitido garantir a integração das mulheres em todos os ramos profissionais, inclusive nas áreas que eram dominadas maioritariamente por homens.

O Dia da Mulher Africana consagrado à reflexão do papel da classe feminina de África na sociedade celebra-se a 31 de Julho. A data foi instituída a 31 de Julho de 1962, em Dar-Es-Salaam, Tanzânia, por 14 países e oito movimentos de libertação, na Conferência das Mulheres.

A assinatura desta efeméride surgiu quando foi criada a organização Pan-africana das Mulheres, que tinha o objetivo de discutir o papel da mulher na reconstrução de África na educação, na garantia da paz e na democracia.

Publicidade