A ilha cabo-verdiana do Sal vai ser palco, a partir de segunda-feira e durante uma semana, da primeira etapa do campeonato mundial de kitesurf, prova que vai contar com cerca de 50 atletas, entre eles 10 cabo-verdianos.

A maior prova mundial de kitesurf vai arrancar na ilha do Sal na segunda-feira, juntando durante uma semana 48 atletas de todo o mundo, entre cerca de uma dezena de cabo-verdianos, sendo quatro já confirmados por via de ‘wild card’ (convite) da organização.

A primeira etapa é organizada pela empresa Nautic Sports Eventos, que pela segunda vez seguida leva esta prova internacional para Cabo Verde, esperando, com isso, colocar o país na rota mundial do kitesurf.

Em declarações à agência Lusa, José Silva, kitesurfista e gerente da Nautic Sports Eventos, disse que é um “sonho” ter uma etapa do campeonato mundial em Cabo Verde, país que considera ser um “fenómeno” e um dos “pioneiros” neste desporto.

“É uma forma de divulgar e colocar o país no mapa do circuito mundial de kitesurf”, projetou José Silva, que tem uma escola de kitesurf no Sal, considerando que ter a prova pela segunda vez no país é uma “valia forte” para a economia local.

José Silva sublinhou as dificuldades em realizar uma prova desta natureza em Cabo Verde, mas garantiu que vai continuar a trabalhar para ter uma etapa do Mundial mais vezes nas águas do país.

Até porque, considera, é uma forma de incentivar outros atletas e os jovens a praticar este desporto, que em sete anos deu ao país quatro campeões do mundo.

“É uma coisa que está nas águas e nas gentes de Cabo Verde”, prosseguiu o organizador, adiantando à Lusa que as previsões do tempo são favoráveis para grandes ondas na ilha do Sal.

No ano passado, o evento foi transmitido em mais de 70 países, com uma visualização acima de nove milhões de espetadores.

Depois de Cabo Verde, o campeonato mundial de kitesurf vai passar por destinos como Marrocos, Alemanha, Espanha, Maurícias, Brasil, Hawai e Austrália.

Publicidade