A estância balnear de João Évora (Jon d’Ébra), em São Vicente, abriga um projeto de construção de cerca de 30 casas e um hotel, iniciativa da Devotal Imobiliária, que propõe oferecer um “luxo natural” a estrangeiros e nacionais.

A baía, antes um tanto ou quanto inacessível e sem muitas atratividades, tornou-se hoje num lugar bem diferente.

A iniciativa partiu da Devotal Imobiliária, empresa formada por dois belgas e que, segundo o agente local, Jasper Vercruysse, decidiu escolher Jon d’Ébra para investir, por ser uma “baía única, muito aconchegante, com tamanho ideal e uma beleza muito particular”, enumerou o empresário em entrevista à Inforpress.

“É uma baía com vistas naturais de excelência, capaz de criar momentos únicos, para além de proporcionar os materiais que o conceito estético vernacular do projeto exige, com o mínimo de degradação ambiental”, reforçou.

Neste sentido, di-lo Jasper Vercruysse, a imobiliária pretende construir, nesta primeira fase, entre 24 e 32 casas de “luxo natural”, sendo que, neste momento, 14 já estão em várias fases de acabamento.

“O luxo oferecido é o chamado ‘barefoot luxury’, ou seja, o luxo de pé descalço. São coisas simples e a pureza dessas coisas que dão luxo às casas e ao lugar, também a oferta que o meio natural proporciona com sol, praia e vistas de grande potencial”, lançou, adiantando que cada casa usa somente “matérias nobres” como pedra natural, madeira mogno, betão e micro cimentos.

Tudo isto, ajuntou, numa “conjugação do estético/moderno e material vernacular” (material que o próprio ambiente proporciona).

Ainda na ótica de “eficiência ecológica” e amiga da natureza, todas as casas, segundo a mesma fonte, estão dotadas de técnicas de iluminação e ventilação natural, e possuem sistema de tratamento de águas negras para a reutilização em rega e outros fins, e a água quente utilizada é aquecida através de um sistema solar.

Uma oferta feita por agora em 14 casas já em fase de acabamento e mesma quantidade de lotes, entre 1.500 e 6.000 metros quadrados, vendidos na maioria a estrangeiros, mas também a cabo-verdianos, que começam, conforme Jasper Vercruysse, a adquirir lotes.

“Ultimamente a procura aumentou, devido ao facto de aparecermos em várias revistas de grande renome, as nacionalidades que nos procuram são portugueses, russos, cabo-verdianos, italianos, belgas, holandeses, franceses, ingleses, canadianos e muitos mais”, salientou.

A Devotal Imobiliária, além das moradias, equaciona construir um hotel e beach club, cujas obras, conforme a mesma fonte, deverão iniciar dentro de “poucos meses”, para se criar um empreendimento, que se quer como uma “extensão da cidade de Mindelo”, já que Jon d’Ébra fica a 10 minutos de carro do centro, e ser “mais uma alternativa” de entretenimento “para passar umas tardes ou noites magníficas”.

Uma construção por agora dependente, acrescentou, da estrada que liga  a estância balnear ao Mindelo, em curso neste momento e que contempla ainda infraestruturas elétricas, hidráulicas e de telecomunicação, e com prazo de conclusão previsto para Julho 2020.

“A Baía de João de Évora ainda tem muito espaço para desenvolvermos mais fases. Já temos ideias e simulações, mas quem sabe o que o futuro vai trazer”, concretizou Jasper Vercruysse, adiantando ter planos para fazer, por exemplo, uma ligação à localidade de Salamansa, com um caminho pedonal e de bicicletas.

Publicidade