A pensar no regresso às aulas, a startup portuguesa Infinitebook lançou uma aplicação para guardar apontamentos na cloud e partilhá-los com colegas e amigos. Depois de chegar ao ‘top’ de vendas da Amazon com o seu caderno ecológico, a empresa de Pedro Lopes investiu numa app que, em breve, terá disponível o reconhecimento automático das folhas e palavras presentes nos documentos fotografados, para facilitar a pesquisa de conteúdos.

O fundador da empresa explica que este era “um dos pedidos mais frequentes dos clientes”, que pretendiam poder consultar online e “sempre que quisessem” as suas notas e esboços. “Queriam manter o propósito de reutilização, e ter forma de aceder facilmente a tudo o que tinham apontado”, explica o empreendedor Pedro Lopes.

app permite guardar o que se escreve ‘à mão’ no Infinitebook através de fotografias, sendo que essas notas podem, depois, ser guardadas em projetos e partilhadas em tempo real com outros utilizadores. A nova aposta da startup chama-se Infinitebook Cloud, foi criada pela Chilltime e está disponível na Play Store e na App Store (para sistemas Android e iOS). Há uma versão gratuita que permite armazenar até 50 fotografias e uma premium (1,99 euros mensais) capaz de guardar na ‘nuvem’ até 250 fotos.

“Com a Infinitebook Cloud damos liberdade a todos os utilizadores para guardarem e partilharem as suas ideias, mesmo aquelas que seriam apagadas do caderno. Falo por experiência própria quando digo que, muitas vezes, são as ideias aparentemente sem valor que se podem transformar em algo extraordinário. Não podemos deixar que estas se percam no papel”, aconselha Pedro Lopes.

A empresa renovou também as capas dos cadernos físicos e anunciou que José Saramago, Leonardo Da Vinci, Marie Curie, Salvador Dali e Wolfgang Mozart são os novos rostos da coleção “Genius” 2019-2020 – que está nos pontos de venda da marca (Fnac, Auchan e loja online) com um custo de 12,99 euros.

Publicidade