“No próximo ano seguramente teremos oportunidade de dispersar capital convidando privados com `know how` para acelerar essa dinâmica de construção de um hub tecnológico, é preciso `players` que apostem na inovação, com capital e conhecimento para sairmos do status quo e acompanhar essa dinâmica permanente do setor”, disse o ministro, quando questionado pelo moderador sobre a privatização da empresa de telecomunicações cabo-verdiana.

“Temos uma agenda forte a nível da regulação e 2020 será o ano em que daremos um passo importante sobre a atualização de todo o quadro legal existente e estaremos em condições de, com mais segurança, garantir que a privatização possa estar ao serviço de Cabo Verde e da criação de um hub tecnológico”, concluiu o ministro das Finanças durante o primeiro painel da conferência `Cabo Verde: Desafios do Futuro`, organizada pela agência Lusa na Praia, em Cabo Verde.

Publicidade