“A delegação apela a todos os atores, particularmente ao Procurador-Geral da República, a trabalhar para a administração de uma justiça neutra, objetiva e independente”, pode ler-se no comunicado final distribuído à imprensa ao final da noite de terça-feira.

No comunicado, a missão da CEDEAO, que se deslocou ao país para avaliar os preparativos para as eleições presidenciais de 24 de novembro, deplora também o aumento do tráfico de droga e felicita as ações que levaram à apreensão de quase duas toneladas de cocaína.

A CEDEAO “condena firmemente a intensificação do tráfico e pede ao Governo para aprofundar os inquéritos para identificar e condenar os autores do crime”, refere, salientando que a organização vai dar atenção especial ao assunto.

A Polícia Judiciária guineense apreendeu na semana passada quase duas toneladas de cocaína e deteve 10 pessoas de várias nacionalidades.

Em março, nas vésperas das eleições legislativas, a PJ fez uma outra apreensão de quase 800 quilogramas de droga.

Durante a sua estada em Bissau, a missão da CEDEAO reuniu-se com as autoridades guineenses, partidos políticos e candidatos às eleições presidenciais, bem como com os elementos da comunidade internacional.

A missão foi chefiada pelo ministro da Presidência de Conselho de Ministros da CEDEAO e chefe da diplomacia do Níger, Kalla Ankoura, e incluiu o ministro de Estado da Guiné-Conacri, Youssouf Kiridi Bangoura, em representação do mediador e Presidente da Guiné-Conacri, Alpha Condé, e do presidente da Comissão da CEDEAO, Jean-Claude Kassi-Brou.

Publicidade