O comissário cabo-verdiano da CEDEAO para os Recursos Humanos, Jeremias Dias Furtado, considerou hoje que Cabo Verde deve apostar numa integração regional baseada nas suas especificidades e especialidades, em áreas como a transformação produtiva e a cultura.

O comissário da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para os Recursos Humanos fez a recomendação na cidade da Praia, durante a sua intervenção como orador numa conferência sobre os desafios de integração política, económica e cultural na África Ocidental.

Para Jeremias Dias Furtado, Cabo Verde deve reconhecer e aprofundar as características que lhe são próprias, como a sua insularidade.

“Não podemos ambicionar uma integração baseada em todas as áreas. Ou seja, temos de ter áreas específicas onde podemos fazer bem e melhor que os outros”, mostrou.

Entre as áreas específicas, apontou a transformação produtiva e a cultura, com destaque para a música.

“Cabo Verde poderia ser para a CEDEAO um ponto de atração como o festival de Cannes”, disse.

Além de Cabo Verde, fazem parte da CEDEAO o Benim, Burkina Faso, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guiné-Conacri, Guiné-Bissau, Libéria, Mali, Níger, Nigéria, Senegal, Serra Leoa e Togo.

A conferência é organizada pela Escola de Negócios e Governação (ENG) da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), no âmbito do Mestrado de Integração Regional Africana (MIRA), e enquadra-se na 2ª semana de África e da CEDEAO na universidade pública cabo-verdiana.

Além das conferências, até quarta-feira serão realizadas várias outras atividades culturais, como música, dança, desfile de moda, poesia e mostras gastronómica de vários países africanos.

Publicidade