Segundo o presidente do conselho de administração da AIPEX, Licínio Vaz Contreiras, 64 projetos foram apresentados por investidores residentes em Angola e 23 foram projetos mistos.

“E depois há dois países: a China com 15 projetos de investimento privado com um valor de 175 milhões de dólares (162 milhões de euros), segue-se Portugal com 12 projetos de investimento com um valor de 5,8 milhões de dólares” (4,6 milhões de euros), disse, hoje, em Luanda.

Falando durante a cerimónia de apresentação do projeto do Centro Político Administrativo de Luanda fez saber que com a entrada em vigor da Lei do Investimento Privado, 26 de junho de 2018, os setores da indústria, comércio, serviços e agricultura “estão no topo dos investimentos”.

Dos 155 projetos registados, “nesse momento 38 estão, efetivamente, implementados, estão a funcionar”, tendo sido já arrecadados cerca de 778 milhões de dólares (693 milhões de euros).

Licínio Vaz Contreiras manifestou-se igualmente “satisfeito” pelo interesse de países africanos a investirem em Angola, nomeadamente Eritreia, Quénia, Moçambique, Uganda, Namíbia, Burundi, Madagáscar e Etiópia já com alguns projetos no país.

Publicidade