A conselheira das Comunidades Portuguesas Rita Santos disse à Lusa que a sobrevivência dos macaenses depende de mais casamentos entre portugueses e chineses.

“Sou da opinião de que não nos devemos limitar a nós macaenses, porque o número de macaenses é reduzido, tem que haver mais cruzamento dos novos portugueses que vêm a Macau”, afirmou, em entrevista à Lusa, a presidente do Conselho Regional do Conselho das Comunidades Portuguesas da Ásia e Oceânia. “O número é limitado, como é que podemos constituir novos macaenses? Só com a vinda de portugueses que casam com chinesas”, ou o contrário, defendeu.

Rita Santos, também ela macaense, fruto de “um cruzamento das duas culturas”, defendeu que “quanto maior for o número de portugueses que querem ficar em Macau mais a cultura consegue sobreviver”, até porque “a cultura macaense é fruto da cultura portuguesa”. “Por que é que eu estou aqui?”, questionou a comendadora, de 59 anos, retorquindo logo de seguida: “porque os meus avôs vieram cá prestar o serviço militar e casaram-se com chinesas”.

Rita Santos é da opinião de que os macaenses não se podem proteger, somente entre si, porque se assim for “o número desaparece”. “Porque é que os futuros [portugueses] que vierem cá casar com chineses ou chinesas não podem ser macaenses? Também são”, afirmou. Os macaenses, frisou, não devem ficar agarrados ao passado, a missão tem de ser centrada na construção do futuro.

“Quanto maior for a vinda de portugueses a Macau mais os macaenses têm o seu valor de sobrevivência”, sublinhou, acrescentando que desta forma “é que poderá haver uma nova geração de macaenses”. E para a conselheira é desta forma que se preserva esta cultura, que nasceu de uma comunhão entre o Ocidente e o Oriente. “E o que é que nos distingue? A nossa maneira de ser, não somos totalmente chineses, mas também não somos totalmente portugueses”, disse.

“Temos a mentalidade ainda tradicional chinesa e também temos a mentalidade europeia”, vincou Rita Santos. “Quando nos juntamos em casa, respeito à deusa A-Má [Deusa do Céu, divindade taoísta venerada no sul da China, considerada a protetora dos pescadores e marinheiros], respeito à Virgem Maria”, acrescentou. Rita Santos apelou aos macaenses mais velhos para que transmitam a cultura aos mais novos, tal como ela faz com os netos. “Temos de fazer esse sacrifício, todos os macaenses têm de fazer esse sacrifício para manter viva a nossa cultura. É a língua portuguesa que mantém a nossa cultura viva. O macaense tem de continuar a falar português”, concluiu.

Publicidade