Nos últimos anos, várias operações de paz foram afetadas por casos de abusos sexuais ou de inação quando os civis estavam ameaçados por grupos armados, designadamente na República Centro-Africana e no Sudão do Sul.

A resolução, criticada pela Federação Russa, para quem a sua elaboração não envolveu suficientemente os países fornecedores das tropas, prevê, em caso de problemas, “retenções nos reembolsos” da ONU e “substituições” ou “chamadas” (ordem de regresso) dos contingentes envolvidos.

Algumas destas medidas já foram aplicadas, mas com esta resolução trata-se de as “sistematizar”, sublinharam fontes diplomáticas.

Publicidade