“O balanço desta visita é totalmente positivo. Recebemos uma boa disponibilidade de todas as autoridades, atores políticos e sociedade civil. Regressamos com muito otimismo”, afirmou o embaixador da Guiné Equatorial junto das Nações Unidas, Anatólio Ndong Mba.

A Guiné Equatorial assume, durante o mês de fevereiro, a presidência do Conselho de Segurança da ONU.

“A festa da democracia, que começou hoje com o arranque da campanha eleitoral, pensamos que vai concluir-se positivamente com a realização de eleições no dia 10”, sublinhou.

A campanha eleitoral para eleições legislativas na Guiné-Bissau arrancou hoje e termina a 08 de março.

Para o diplomata da Guiné Equatorial o que falta é o “apoio da comunidade internacional”, que depois das eleições vai “continuar a acompanhar a Guiné-Bissau para fazer frente aos diferentes desafios”.

Questionado sobre o relatório do secretário-geral da ONU, António Guterres, que continua preocupado com a situação “frágil” da Guiné-Bissau, incluindo com a desconfiança e manobras políticas para dificultar o processo eleitoral, Anatólio Ndong Mba disse que a “fragilidade é normal” no atual momento, tendo em conta a “fraqueza das instituições políticas”.

Sobre a possibilidade da Missão Integrada das Nações Unidas para a Consolidação da Paz no país ser encerrada em 2020, o embaixador disse que a “questão está a ser avaliada e estudada”.

Anatólio Ndong Mba, que é também o presidente do comité das sanções para a Guiné-Bissau, disse que as sanções impostas aos militares guineenses vão ser analisadas em Nova Iorque.

Na sequência de golpe de Estado de 2012, o Conselho de Segurança da ONU aplicou sanções a 11 oficiais guineenses envolvidos na alteração da ordem constitucional.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai reunir-se para discutir a situação no país no final de fevereiro.

Publicidade