Angola regista dois novos casos de infeção pelo novo coronavírus, elevando-se a 19 o número total de registos, anunciou hoje a ministra da Saúde angolana, Sílvia Lutucuta.

Trata-se de um homem de 59 anos e uma mulher de 28, ambos provenientes de Portugal e que se encontravam em centros de quarentena, precisou a ministra.

Os dois pacientes estavam assintomáticos e encontram-se agora no centro de referência da Barra do Kwanza.

O laboratório de referência angolano processou até ao momento 1.094 amostras, estando outras 165 em processamento.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 82 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 260 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 750 mil infetados e mais de 58 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, contabilizando 17.669 óbitos em 139.422 casos confirmados até quarta-feira.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 14.555 mortos, entre 146.690 casos de infeção confirmados até quarta-feira, enquanto os Estados Unidos, com 12.910 mortos, são o que contabiliza mais infetados (399.929).

A China, sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau, conta com 81.802 casos e regista 3.333 mortes. As autoridades chinesas anunciaram hoje 62 novos casos, 59 dos quais oriundos do exterior, e duas mortes.

Além de Itália, Espanha, Estados Unidos e China, os países mais afetados são França, com 10.328 mortos (109.069 casos), Reino Unido, 7.097 mortos (60.733 casos), Irão, com 3.603 mortos (58.226 casos), e Alemanha, com 1.861 mortes (103.328 casos).

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África ultrapassou as 500 nas últimas horas num universo de mais de 10.500 casos registados em 52 países, de acordo com a mais recente atualização dos dados da pandemia naquele continente.

Publicidade