O representante interino da Organização Mundial de Saúde (OMS) em Angola disse hoje, em Luanda, que Angola está no grupo de países africanos lusófonos com menos casos de covid-19, mas alertou para a “clara tendência de crescimento”.

Instado pela agência Lusa a comentar a aceleração da pandemia em África, Javier Aramburu, disse que os países africanos não têm um número maior de casos e óbitos comparativamente a alguns países latino-americanos, mas avisou que a situação é “séria”.

“Há países latino-americanos que têm maior número de casos e mortes que os países africanos, o que não indica que a situação não seja séria em África”, referiu.

O responsável sublinhou que “os casos estão a aumentar e há países que têm um grande número de infeções, como a Guiné-Bissau, com mais de 1.600 casos, logo seguida de Cabo Verde, que tem neste momento um número aproximado de 1.250 casos”.

“Por outro lado, temos o caso de Moçambique, já com 900 casos, São Tomé e Príncipe também tem um número de casos importante, está ao redor de 600 casos, e Angola que tem ainda menos de 500 casos, estamos a falar até ontem [quarta-feira] de 291 casos”, lembrou.

Javier Aramburu sublinhou que Angola é o país que tem menos casos, mas assinalou que o país “não está a ser fornecido com um número necessário de testes”, apesar de o Governo estar a pedir “em todos os meios possíveis”.

“Pode ser que o número real seja maior”, frisou.

Questionado sobre eventuais explicações para um maior número de óbitos em Angola comparativamente a países como Cabo Verde e São Tomé e Príncipe que têm mais infeções diagnosticadas, Javier Aramburu frisou que se tratando de ilhas pequenas, com população relativamente pequenas, o controlo fica mais facilitado.

Relativamente a Cabo Verde, o responsável salientou que o país tem muito mais apoio a partir da Europa, por exemplo.

Já Angola “tem uma situação mais difícil, porquanto a disponibilidade de testes para o país é insuficiente. É um problema que se está a passar não só em África, mas em todo o mundo”, destacou.

 A pandemia de covid-19 já provocou mais de 516 mil mortos e infetou mais de 10,71 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em África, há 10.390 mortos confirmados em mais de 420 mil infetados em 54 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

Segundo os dados oficiais, entre os Estados africanos que têm o português como língua oficial, a Guiné Equatorial lidera em número de infeções e de mortos (2.001 casos e 32 mortos), seguida da Guiné-Bissau (1.654 casos e 24 mortos), Cabo Verde (1.301 casos e 15 mortos), Moçambique (918 casos e seis mortos), São Tomé e Príncipe (717 casos e 13 mortos) e Angola (291 infetados e 15 mortos).

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de infetados e de mortos (mais de 1,44 milhões de casos e 60.632 óbitos), depois dos Estados Unidos.

Publicidade