O Ministério da Saúde de Cabo Verde reviu hoje o total acumulado de casos de covid-19 no país para 335 e de doentes recuperados para 85, mantendo o número de oito novos infetados anunciados esta terça-feira.

Em comunicado divulgado esta manhã, o Ministério da Saúde tinha anunciado um total acumulado de 336 casos de covid-19 e 84 doentes recuperados.

No concelho da Praia, das 80 amostras analisadas (103 no total de seis concelhos) no Laboratório de Virologia do Instituto Nacional de Saúde Pública, oito deram resultado positivo para covid-19, elevando o total da capital cabo-verdiana a um acumulado de 269 casos, dos quais 30 recuperados e dois óbitos.

De acordo com o comunicado, estes dados são relativos às amostras de 16 de maio, dado que nos últimos dois dias, devido à manutenção do equipamento de teste, não foram feitas análises naquele laboratório.

Desde 19 de março, quando foi diagnosticado o primeiro caso da doença no arquipélago – um cidadão inglês de 62 anos que acabaria por morrer dias depois -, Cabo Verde soma 335 casos de covid-19. Destes, três acabaram por morrer, dois turistas estrangeiros infetados regressaram aos países de origem e 85 estão dados como recuperados.

Permanecem assim ativos 245 casos de covid-19 no país. “A maioria dos doentes com infeção ativa continuam em isolamento e com evolução favorável, exceto dois que inspiram cuidados diferenciados”, reafirma o comunicado.

A ilha de Santiago, a única que permanece em estado de emergência, pelo menos até às 24:00 do dia 29 de maio, há registo de um acumulado de 276 casos de covid-19.

Na ilha da Boa Vista, onde se registou o primeiro foco da doença no arquipélago, do acumulado de 56 casos de covid-19 apenas dois permanecem ativos, enquanto na ilha de São Vicente o único registo é de três pessoas da mesma família que contraíram a doença, mas que ainda em abril foram dados como recuperados.

O novo coronavírus responsável pela presente pandemia de covid-19 foi detetado na China em dezembro de 2019 e já infetou mais de 4,7 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais mais de 316.000 morreram. Mais de 1,7 milhões foram já dados como recuperados.

Publicidade